O comandante-geral da Polícia Militar do Paraná, coronel Nemésio Xavier de França Filho, participou nesta segunda-feira (7) da aula inaugural do Curso de Gerenciamento de Crise da Polícia Militar. A primeira aula foi ministrada por Ângelo Salignac, perito no assunto e ex-negociador da Polícia Federal, e teve como tema ?A Negociação em Crises?. Durante três semanas, os alunos vão aprimorar seus conhecimentos sobre como agir num evento crítico.

Os 44 alunos do curso são oficiais da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros, integrantes do Exército, da Polícia Federal e dois representantes da polícia da província de Córdoba, na Argentina. Entre os policiais militares, há alunos do Paraná, do Ceará, de Alagoas, do Rio Grande do Sul e do Pará.

?O bom gerenciamento de uma crise é acima de tudo resultado da competência e dedicação do profissional que tem que atuar com calma, decidir dentro da lei e, o mais importante, respeitar a vida do cidadão?, afirmou Xavier. Segundo ele, o bom desfecho de uma negociação depende da experiência e do empenho de cada um dos negociadores. ?Por isso defendemos que pessoas qualificadas estejam à frente da negociação?, salientou o coronel Xavier.

O secretário da Justiça e da Cidadania, desembargador Jair Ramos Braga, disse que fez questão de estar presente à aula inaugural do curso porque comanda uma pasta onde muitas vezes se defronta com problemas que carecem de negociação para serem resolvidos. ?São situações que pedem uma ação competente e qualificada para serem sanadas?, explicou Braga. O secretário lembrou que foi oficial da PM, formado na quarta turma de cadetes, em 1956, tendo chegado a capitão antes de se desligar para ingressar na magistratura.

Também estavam presentes na aula inaugural o Comandante do Policiamento do Interior, coronel Celso José Mello, o Comandante do Policiamento da Capital, coronel Amaro do Nascimento Carvalho, e o major Milton Isack Fadel Junior, comandante da Companhia de Polícia de Choque, que está promovendo o curso.

Ação tática

Na palestra que proferiu aos alunos, o perito Ângelo Salignac ressaltou que o sistema de segurança pública está se tornando técnico, mas lembrou que não adianta investimento em equipamento se não existir uma doutrina a ser seguida, bem como treinamento e estudo por parte daqueles que tem como missão abrandar a crise quando ela já estiver instalada.

?Historicamente, o gerenciamento de crises foi maltratado no Brasil. O primeiro material sério que temos data da década de 1980. Precisamos desenvolver uma doutrina nacional de gerenciamento de crise, e cursos como este são importantes para alcançar esta meta?, disse. ?O evento crítico deve ser visto como um todo, desde a negociação até a possível ação tática?, argumentou.

O curso de Gerenciamento de Crises tem aulas teóricas e práticas. Das aulas constam temas como doutrina de gerenciamento de crises, uso da psicologia aplicada ao gerenciamento de crise, primeira intervenção em situações de crise, negociação, técnicas não letais, estudos de casos e outras ligadas diretamente ou indiretamente à atividade policial, mas com aplicações em negociações de todas as naturezas.

O comandante da Companhia de Polícia de Choque disse que o curso visa preparar os alunos para agir de maneira técnica e profissional durante um evento crítico. ?Muitas vezes nos deparamos com situações que exigem a aplicação prática de conhecimentos de que nem sempre dispomos. Por isso preparamos esse curso?, explicou o major Fadel.