Foto: Osvaldo Ribeiro/SESP
José Simão Pietrovski é conhecido
como o “terror do Guaraituba”.

Policiais do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) prenderam o homem tido como um dos maiores assassinos da Região Metropolitana de Curitiba, dos últimos dois anos. José Simão Pietrovski, 25 anos, é suspeito de ter cometido cerca de 20 assassinatos, apenas no bairro Guarituba, em Piraquara. Ele foi encontrado na cidade de Barra do Turvo (SP), no fim de semana. “A fama dele é tamanha, que Pietrovski é conhecido como o ‘terror do Guarituba’. Com esta prisão, com certeza, os índices de homicídios vão cair na região”, conta o delegado Messias Antônio da Rosa, do Cope.

De acordo com ele, Pietrovski já havia sido preso no início deste ano, em Piraquara. Em março, ele fugiu e estava sendo procurado pela polícia desde então. Por enquanto, a Justiça já teria confirmado, em seis processos, que Pietrovski é responsável por nove assassinatos naquela cidade. Segundo as investigações, ele costumava matar principalmente adolescentes, que seriam seus comparsas em roubos na região metropolitana, para que não o delatassem à polícia. “Ele armava tocaias para que os menores fossem assassinados a tiros”, explicou Rosa.

O delegado contou ainda que uma das ações que estava sendo investigada, era o possível planejamento de assalto a uma propriedade em Piraquara, que seria de um secretário municipal de Curitiba. “Tínhamos informações que eles queriam roubar a chácara de um secretário e conseguimos prender o líder da ação antes do roubo”, disse o delegado Messias Antônio da Rosa.

Prisão

Pietrovski foi pego em uma blitz, em Barra do Turvo (SP), no dia 03 de setembro. Ele foi detido porque portava uma arma havia sido furtada em Curitiba. Os policiais verificaram que ele era fugitivo da Justiça e encaminharam-no, no dia seguinte, para os policiais do Cope.

O acusado roubava principalmente residências e é suspeito de ter participado de um assalto à praça de pedágio da Ecovia, na BR-277, há cerca de um mês. No município de São José dos Pinhais, Pietrovski também responde a um processo por falsidade ideológica.

O último assassinato que teria sido cometido por Pietrovski aconteceu em agosto deste ano. Jéferson Schell, 18, era integrante de uma quadrilha rival e foi morto a tiros no bairro Guarituba. A polícia acredita que Pietrovski estava em São Paulo, fugindo tanto desta quadrilha rival como da polícia.