Sete entidades representativas das classes policiais civis do Paraná estiveram em assembléia, hoje à tarde, quando repudiaram a indicação de sargentos da PM que assumirão cargos de delegados em municípios que não sejam sedes de comarca. Os policiais civis disseram se tratar de um ?retrocesso de quase cem anos no setor, com a militarização da segurança? e alegaram se tratar de uma medida inconstitucional, adotada pela Secretaria de Segurança Pública.

Na ocasião, integrantes da Associação dos Delegados de Polícia (Adepol), Sindicato dos Delegados de Polícia (Sidepol), Sindicato das Classes Policiais Civis (Sinclapol), União da Polícia Civil, Associação dos Operadores de Telecomunicações, e Associação dos Papiloscopistas, reclamaram que não houve qualquer consulta à classe antes da edição da medida e que há centenas de investigadores e escrivães formados em Direito, que já responderam pelos municípios, sem que tivessem nenhum ganho extra por isso.

Os sargentos nomeados fizeram curso na Escola da Polícia Civil e receberão um adicional nos salários.(Leia mais na edição de amanhã do jornal O Estado do Paraná)