O Advogado Geral da União (AGU), Luís Inácio Adams, afirmou nesta quarta-feira, 16, que a inédita decisão dos ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) de conceder 30 dias para que a presidente Dilma Rousseff explique as contas federais de 2014 representa não uma derrota do governo, mas sim uma vitória. “O governo ganha com essa decisão porque poderá apresentar o contraditório, poderá explicar as contas”, disse Adams, logo após o fim da sessão no TCU.

“O governo tem condições de esclarecer isso, como já tem esclarecido em relação ao tema que se convencionou chamar de ‘pedalada fiscal’. São pontos passíveis de esclarecimento e compreensão. Vamos agora ter ciência desse relatório e dos apontamentos e em cima disso vamos fazer os esclarecimentos de cada um dos itens”, disse Adams.

“O que o TCU fez claramente foi inaugurar uma dinâmica de trabalho que permite ao governo federal se manifestar. O governo toda hora sofre com as ressalvas feitas pelo TCU, mas nunca teve a oportunidade de se manifestar. Agora as contas poderão ser esclarecidas tecnicamente para sustentar as decisões do governo. O que o TCU adotou foi uma nova sistemática: pela aprovação ou rejeição, o TCU passa a incluir a manifestação do governo nas suas decisões”, afirmou o Advogado-Geral da União, que acompanhou toda a sessão de julgamento no TCU hoje.