O advogado Eduardo de Moraes, que representa Jorge Luiz Zelada, ex-diretor da área Internacional da Petrobras que teve bloqueados 11,6 milhões de euros em duas contas em um banco do Principado de Mônaco, afirmou nesta terça-feira que ainda não teve acesso à documentação referente a esse bloqueio nem esteve pessoalmente com Zelada.

“Portanto, neste momento, não tenho como colaborar”, afirmou à reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, por e-mail, o advogado, nesta terça. Segundo ele, nesta quarta, 18, ele já deve ter informações sobre o caso e se disporá a atender a imprensa. A reportagem procurou também o próprio Zelada, que mora no Rio de Janeiro, mas uma mulher que atendeu o telefone negou que o número fosse dele. Ela também afirmou que tem o telefone correto de Zelada, mas está proibida de divulgá-lo.