O advogado Cid Campêlo, que representou José Rodrigo Sade na ação contra a nomeação de Eduardo Requião para a Secretaria dos Transportes, irá recorrer da decisão do ministro Cesar Peluso, que permite a posse do irmão do governador Roberto Requião (PMDB) no cargo. Campêlo irá ingressar com um embargo de declaração no STF, para que o ministro se pronuncie sobre a situação de Eduardo em relação ao cargo de superintendente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa).

Campêlo disse que, no despacho, o ministro do STF foi omisso quanto ao segundo item do decreto de nomeação de Eduardo, que também autorizava que ele acumulasse a superintendência da Appa, vinculada à Secretaria de Transportes.

Campêlo também ajuizou uma reclamação no STF contra a decisão do juiz da 4.ª Vara da Fazenda Pública, Douglas Marcel Peres, que indeferiu o pedido de liminar à ação popular para tentar afastar Maurício Requião do cargo de conselheiro do Tribunal de Contas, indicado pela Assembléia Legislativa. E no Tribunal de Justiça, Campêlo irá ajuizar um agravo de instrumento contra a mesma decisão. O advogado usa o argumento de que o vínculo familiar com o governador tornava Maurício inelegível para o cargo.