O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (PSDB-MG), chamou de “agressão à democracia” o pedido que será apresentado pelo governo ao Tribunal de Contas da União (TCU), que inclui a suspensão do processo de julgamento de contas da presidente Dilma Rousseff e a substituição do relator, Augusto Nardes.

“O governo age como um time que, vendo que está perdendo de goleada a partida, pede para mudar o juiz”, afirmou, em nota enviada à imprensa. Mais cedo, o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, disse que o pedido será apresentado porque Nardes antecipou voto contrário ao governo em declarações à imprensa.

O senador disse que a ação do governo é uma tentativa “patética” e extrema de tentar desqualificar o TCU e os pareceres técnicos da instituição. Para Aécio, a ação é “truculenta e desrespeitosa” e demonstra que faltam argumentos sérios para responder aos questionamentos feitos pelo tribunal. “Escancara o enorme receio de uma histórica derrota quando do julgamento das contas presidenciais”, afirmou.

Na nota, o senador diz ainda que o TCU não é subordinado ao poder Executivo e cumprirá seu dever de julgar o processo “com independência e baseado em argumentos técnicos”. “É hora de mostrarmos definitivamente que no Brasil a lei deve ser cumprida por todos, em especial por quem deveria dar o exemplo: a presidente da República”, conclui.