O candidato do PT ao governo do Distrito Federal (DF), Agnelo Queiroz (PT), quer que a Justiça Eleitoral troque a foto do ex-candidato Joaquim Roriz (PSC) pela fotografia de Weslian Roriz (PSC). As urnas eletrônicas foram lacradas no dia 2 de setembro, quando Joaquim Roriz ainda não havia desistido de sua candidatura ao governo do DF e colocado sua mulher na disputa. Weslian teve 31,5% dos votos contra 48,41% de Agnelo. Os dois disputarão o governo local no segundo turno.

No primeiro turno, quando o eleitor digitava o número de Weslian, a foto que aparecia era a de Roriz. A troca serviria, conforme integrantes da campanha, para informar aos eleitores de que Roriz não é mais candidato. O Tribunal Regional Eleitoral do DF, que terá de examinar o pedido, questionou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre a possibilidade de promover a troca das fotos. A consulta chegou ao TSE nesta semana e deverá ser respondida nos próximos dias.

Em entrevista no domingo, quando ficou definido que Agnelo e Weslian disputariam o segundo turno, o presidente do TSE, ministro Ricardo Lewandowski, já adiantou que a substituição das fotos não é possível. Hoje, o quarto colocado nas eleições, Eduardo Brandão, candidato do PV, declarou apoio oficial a Agnelo Queiroz. Brandão teve 5,64% dos votos do eleitorado do DF e fez críticas à candidatura do PT e à aliança com o PMDB local. A aliança para o segundo turno, disse Brandão, tem como objetivo evitar a volta do “coronelismo” no DF, numa referência a Roriz. O terceiro colocado, Toninho do PSOL, adiantou que o partido não declarará apoio a um dos candidatos. E afirmou que anulará seu voto no segundo turno.