Diogenis dos Santos/Agência Câmara

Alex Canziani: candidatura em perigo.

Mesmo sendo presidente estadual do PTB no Paraná, o deputado Federal Alex Canziani está tendo dificuldades em firmar como pré-candidato à Prefeitura Municipal de Londrina.

Apesar de ser a principal liderança do partido no município, Canziani não tem total apoio da executiva provisória municipal, presidida pelo vereador Sidney de Souza, presidente da Câmara Municipal. E esse impasse no PTB de Londrina foi parar na Justiça. Ontem, a convenção municipal do partido, que elegeria nova direção, foi suspensa por uma liminar concedida pelo juiz Alberto Júnior Veloso, da 5.ª Vara Cível de Londrina.

A liminar foi concedida em favor de Canziani, que contestou a convocação das convenções sem a anuência dos demais membros da executiva. ?Quem convoca convenção é a executiva e não apenas o presidente. A liminar corrigiu uma irregularidade jurídica?, alegou Canziani, que se disse surpreendido pela convocação já que já havia acordado com o vereador a realização da convenção em data mais próxima à convenção estadual, marcada para 17 de maio, em que seria montado um diretório compartilhado entre os dois grupos para dirigir o partido.

Pré-candidato à Prefeitura, Canziani tem resistência de Sidney de Souza, que faz parte da base de apoio ao prefeito Nedson Micheleti (PT) e, especula-se, poderia apoiar a candidatura do petista André Vargas à sucessão municipal. A O Estado, Sidney declarou que o PTB terá candidato à prefeitura, mas que este poderá não ser Canziani. ?Canziani não é nosso candidato. O partido tem outros nomes e isso só será decidido em convenção?, disse.

Sobre a suspensão da convenção, Sidney disse que ?não havia nenhum problema quanto a sua realização, mas o deputado entendeu que não era interessante ter convenção em Londrina, apesar da orientação dele próprio e do diretório nacional para que todos os municípios realizem convenções neste ano?. Sidney disse que todos os membros da executiva sabiam da convenção e revelou acreditar que as diferentes opiniões quanto às eleições municipais podem ser um dos motivos que levou Canziani a requerer liminar. Para a convenção de ontem, estava inscrita apenas uma chapa, encabeçada pelos dois vereadores do partido, Sidney e Luiz Tamarozzi.

Canziani também admitiu que a composição do novo diretório do partido será importante para as definições sobre as eleições. ?Londrina terá convenção, como todos os outros municípios também terão, mas ela não pode ser marcada deliberadamente. Não tivemos outra alternativa fora a liminar?, disse. ?O que o vereador queria era ter o partido só pra ele. Queria dar um golpe para negociar o partido nas eleições municipais?, esbravejou. No entanto, Canzini descartou uma interferência do diretório estadual na situação de Londrina. ?É questão local e será resolvida no âmbito da executiva municipal.?