A Associação dos Municípios do Paraná (AMP) cancelou, nesta sexta-feira, a assembleia marcada para a próxima terça-feira, dia 17, que definiria a nova direção da entidade. A participação dos prefeitos na Marcha em Brasília e a necessidade de mais tempo para os interessados se articularem ou adequarem às exigências do Estatuto foram os motivos do adiamento. A nova assembleia não tem data definida.

A AMP ia escolher sua nova diretoria no dia 02 de maio, mas, das duas chapas interessadas, apenas uma, encabeçada pelo prefeito de Piraquara, Gabriel Samaha, o Gabão (PPS) cumpria a exigência do estatuto de estar com todos os prefeitos em dia com as contribuições à entidade por seis meses consecutivos. A chapa do prefeito Pitanga, Altair Zampier (PR), indeferida pelo jurídico da AMP, ameaçou contestar a eleição na Justiça e o presidente da entidade, Moacyr Fadel (PMDB), prefeito de Castro, decidiu adiar o pleito.

Neste período, a chapa de oposição tentou reunir 133 assinaturas (um terço dos prefeitos) para propor uma alteração no Estatuto permitindo a candidatura de qualquer filiado à entidade. Com o adiamento, a chapa de oposição ganha mais tempo para reunir as assinaturas, enquanto a chapa de situação tem mais alguns dias para se articular politicamente, já que não havia se preparado para um bate-chapa. Enquanto isso, outro grupo de prefeitos trabalha para que haja um entendimento e, até, uma composição entre as duas chapas, uma vez que nunca houve disputa na história da AMP.