A força-tarefa que atua em Londrina para agilizar as investigações na área do patrimônio público, ingressou esta semana com novas ações por improbidade administrativa, visando ao ressarcimento integral dos danos causados aos cofres municipais. Uma delas, envolvendo o ex-prefeito Antônio Belinati, entre outros, pretende a declaração de nulidade do procedimento de licitação feito em 1998, e dos pagamentos e contratos decorrentes, pelos quais teriam sido desviados dos cofres públicos municipais R$ 55,5 mil, em valor nominal da época (setembro a dezembro de 1998), por meio da Comurb, empresa pública incumbida de gerir os recursos do Fundo Municipal de Urbanização – FUL. A carta-convite n.º 46/98 destinava-se à contratação de empresa de publicidade para executar serviços de assessoria de imprensa, design gráfico, criação e planejamento de campanhas comunitárias e outros. De acordo com o MP, além de contratação direta, sem licitação, com procedimento formal forjado, não houve integral prestação dos serviços mencionados nas notas de empenho, notas fiscais e ordens de pagamento. O dinheiro desviado teria saído do montante recebido pelo município em função da venda de parte das ações que possuía da companhia telefônica local, o Sercomtel, ocorrida em maio de 1998.