Desde que assumiu a coordenação da bancada federal paranaense em Brasília, no início do primeiro semestre deste ano, o deputado federal Fernando Giacobo (PR), já se envolveu em pelo menos uma grande polêmica. A redistribuição de verbas de uma emenda que seriam destinadas à conclusão da Linha Verde em Curitiba para outros municípios do estado rendeu duras críticas ao novo coordenador. Mesmo assim, ele vê sua atuação como positiva até o momento, em que se aproxima já da metade de sua gestão, com duração de apenas um ano.

Para ele, a redistribuição das verbas da emenda, que já tinha sido aprovada pela bancada, era necessária por uma questão legal. “Simplesmente tentei corrigir um erro que a nossa bancada cometeu no ano de 2010 porque a emenda era inexequível técnica e juridicamente”, comenta.

O deputado ainda explica melhor a questão. “De qualquer forma, a verba não poderia ser gasta como foi colocada porque, a partir do momento em que foi assinado o convênio municipalizando a BR-476 (atual Linha Verde), fica expressamente impedida a utilização de recursos federais para as obras lá”. De acordo com ele, com essa redistribuição, obras importantes que precisavam de recursos foram contempladas, como o Contorno de São José dos Pinhais.

Com exceção desta polêmica, o deputado acredita que tem feito um bom trabalho na coordenação da bancada, apesar de todas as dificuldades, e que pode contribuir para a obtenção de recursos em benefício do Paraná. “É preciso que as pessoas entendam que 2011 é um ano extremamente difícil na obtenção de recursos, pois temos dois governos novos, no estado e no país, mas sendo um deputado da base do governo federal, fica um pouco menos difícil”, avalia.

Apesar de o trabalho no primeiro semestre ter sido satisfatório, segundo ele, somente no próximo suas atividades como coordenador da bancada serão mais representativas. “Nesses primeiros meses, conversei muito com a bancada, que está participando muito mais das discussões em âmbito estadual e federal, mas ainda estamos aguardando o segundo semestre para que façamos uma pressão legítima junto ao governo federal para a liberação de emendas”.

Para ele, o bom relacionamento com os três ministros paranaenses Gleisi Hoffmann (Casa Civil), Paulo Bernardo (Planejamento) e Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral) será essencial no momento de pleitear verbas para o Paraná.

Mesmo com as dificuldades em relação ao governo federal, Giacobo acredita que outro fator que pode auxiliar a bancada federal na tarefa de obtenção de recursos para o estado é a relação com o governo estadual. “Nos últimos oito anos o Paraná foi um dos estados que menos conseguiu liberar verbas de emendas de bancada porque faltou foi interlocução do governador (Roberto) Requião com os parlamentares. Ele fazia um governo solitário, não procurava muito a bancada, mas agora temos outra situação porque o Beto (Richa) tem se mostrado muito mais disponível”.

Escândalos no PR

Pertencente ao Partido da República (PR), a legenda do ex-ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, Giacobo acredita que mesmo que o grupo tenha sido muito citado em meio aos escândalos envolvendo o Ministério e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), o caso não vai prejudicá-lo como deputado e coordenador da bancada federal.

“Escândalos pessoais como esse não têm como atrapalhar a minha atuação no Congresso, mas as pessoas ainda precisam aprender a separar o partido do que está acontecendo no Ministério, o partido tem que ser preservado”.