A convenção do Partido Progressista (PP) deste sábado (4) colocou fim às dúvidas sobre a aliança entre o ex-governador Beto Richa (PSDB) e a atual governadora Cida Borghetti (PP). Richa deixou o Palácio Iguaçu em abril para concorrer a uma das cadeiras paranaenses do Senado, mas ainda não era nome certo ao lado da campanha da pepista – o que chegou a gerar críticas por parte do deputado federal Ricardo Barros (PP), marido de Cida e articulador da campanha dela ao governo.

No fim de julho, Barros se queixou de, na prática, a aliança entre PSDB e PP não estar sendo encaminhada pela direção tucana. Nesta semana, dias antes da convenção desta sábado, o deputado retomou o discurso e frisou que a indefinição do tucano contribuiu para a demora no desenho do quadro da chapa. Mas antes do evento neste sábado, tanto Richa como Barros afirmaram que as desavenças foram superadas.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Com isso, a chapa fica formada com Cida como candidata ao governo e Richa e Alex Canziani como concorrentes para o Senado. A aliança foi selada definitivamente nesta sexta (3, após uma reunião entre Richa e Barros. “O Beto estava desenhando uma candidatura solo e por isso a aliança estava indefinida. Com a disposição dele em apoiar Cida tudo foi resolvido”, afirmou Barros.

Já Richa afirmou que desavenças “são normais” nesse período de articulação política. Por enquanto, de acordo com a assessoria da governadora, a coligação conta com cerca de 300 candidatos a deputado federal e estadual. Os partidos já confirmados na aliança são PP, PSDB, PTB, DEM, PSB, PROS, PMB, PMN e PTC.

A candidata Cida Borghetti manteve-se quieta durante boa parte da convenção por causa de uma faringite.