A Associação Brasileira de Bancos (ABBC) informou nesta segunda-feira, 17, que encaminhou em 7 de agosto, via cartório, notificação para a Consist Software solicitando esclarecimentos ‘acerca dos fatos noticiados, com vistas ao início do processo de rescisão contratual’. Um acordo entre a ABBC, o Sindicato das Entidades Abertas de Previdência Privada (SINAPP) e a Consist está sob suspeita da Operação Pixuleco II, 18º fase da Lava Jato, que na quinta-feira, 13, prendeu o ex-vereador do PT, em Americana (SP), Alexandre Romano.

A Lava Jato suspeita que Romano tenha recebido R$ 40 milhões em propinas. Nesta segunda-feira, 17, vence o prazo da prisão temporária do ex-vereador. O juiz federal Sérgio Moro poderá prorrogar por mais 5 dias a custódia de Romano ou mesmo convertê-la em prisão preventiva.

A Consist foi contratada após a ABBC e o SINAPP firmarem um acordo de cooperação técnica com o Ministério do Planejamento, em 2009. O objetivo deste acordo com a pasta era ‘facilitar e melhorar a segurança dos contratos de empréstimos consignados para servidores federais’. “Nele, não há qualquer tipo de remuneração ou fluxo de valores entre as instituições (ABBC, SINAPP e Ministério do Planejamento)”, apontou a Associação.

Segundo nota divulgada pela ABBC, o Tribunal de Contas da União e a Advocacia Geral da União analisaram e aprovaram o acordo de cooperação técnica firmado com o Ministério do Planejamento e com o SINAPP, em 2009. “O acordo de cooperação técnica foi analisado pela Advocacia Geral da União e pelo Tribunal de Contas da União, que concluíram por sua plena conformidade e adequação à legislação”, esclareceu a ABBC no texto.

A Consist, de acordo com a Associação de Bancos, foi contratada para ‘o gerenciamento do sistema referente aos empréstimos consignados para servidores federais’. Na época, segundo a entidade, os bancos participantes do mercado de crédito consignado avaliaram opções disponíveis e identificaram que a Consist empresa ‘apresentava melhores condições de atender os requisitos técnicos e operacionais’. Ainda, de acordo com a ABBC, ‘não havia qualquer informação pública que desabonasse seu trabalho ou conduta (da Consist)’.

O presidente do diretório municipal do PT, Marco Bariao, o ‘Russo’, informou que Romano não é mais filiado ao partido. “O senhor Alexandre Correa de Oliveira Romano foi filiado ao PT de Setembro de 1999 a 22 de setembro de 2005”.