A palestra do professor da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo Francisco Oliveira, ontem na reunião do secretariado, não foi bem digerida pela maioria da bancada do PT na Assembléia Legislativa. Fundador do PT, Oliveira deixou o partido no final do ano passado por discordar do governo Lula e após um atrito direto com o chefe da Casa Civil, José Dirceu. Convidado do governador Roberto Requião (PMDB) para o encontro semanal dos secretários, o ex-petista fez uma avaliação severa das ações do governo federal e acusou o PT de ter vendido seu patrimônio de credibilidade na “bacia das almas” ao se aliar com os setores mais conservadores da sociedade, desprezando sua aliança histórica com os trabalhadores e os movimentos sociais. “Em vez de aproveitar o momento pós-eleitoral de quase ruptura, o governo do PT optou por tentar reconstruir esse sistema político, já desgastado e que se sustenta através de alianças políticas no Congresso Nacional”, disse.

Os deputados estaduais do PT não gostaram da intervenção. O líder do governo, Natálio Stica, disse que é muito fácil criticar, sem apontar saídas. O presidente estadual do PT, deputado André Vargas, criticou o convite de Requião a Oliveira. Concluiu que a vinda do cientista político equivale a uma situação em que o PT chamasse um adversário de Requião para avaliar seu governo. “Acho que não ajudou em nada no processo de reflexão estadual. Ele fez críticas com as quais não concordamos e como não se tratava de um debate, tivemos que ouvir apenas”, atacou.

Já o deputado estadual Tadeu Veneri não viu nenhum problema na abordagem de Oliveira. Veneri avaliou que o ex-correligionário fez uma palestra “elegante”, sem entrar em ataques diretos a integrantes do governo, limitando-se a fazer uma análise global da administração de Lula. Veneri afirmou que uma parte das críticas feitas por Oliveira não difere daquelas que uma parcela do partido já faz atualmente sobre os rumos do governo petista. “Foi uma oportunidade para que muitos dos presentes à reunião tomassem contato pela primeira vez com o Francisco Oliveira e com o pensamento de uma das personalidades mais influentes na esquerda nos últimos vinte e cinco anos e que teve uma contribuição enorme na construção do nosso partido”, disse.

Lideranças fecham acordo

O deputado estadual André Vargas, presidente estadual do PT, e Milton Alves, presidente do PCdoB, assinaram ontem protocolo de intenções formalizando uma aliança política e eleitoral em todo o Estado nas eleições de 3 de outubro. Os dois partidos vão atuar em conjunto nas eleições de Londrina, Maringá e Ponta Grossa. E querem disputar em vários municípios paranaenses e atrair outras legendas que participam da base de sustentação do governo Lula.