Depois de o presidente estadual do PSDB, Valdir Rossoni ter declarado que ainda sonha com a manutenção da aliança com o PDT do senador Osmar Dias repetindo no ano que vem a grande coligação que levou o prefeito de Curitiba, Beto Richa (PSDB), à reeleição, o próprio Beto sugeriu, ontem o resgate desta aliança.

“Sempre defendi a união e a aliança dos partidos que caminharam juntos nas últimas eleições. Sempre inclui, nessa nossa intenção, o partido do senador Osmar Dias, o PDT”, afirmou o prefeito, em entrevista por telefone à rádio CBN de Cascavel, diretamente do Oriente Médio, onde participa da Conferência Mundial Facing Tomorrow.

A manifestação do prefeito de Curitiba foi uma resposta ao questionamento em torno da aliança nacional PT-PMDB, oficializada na última terça-feira (20), em Brasília, entre os líderes dos dois partidos.

Para Beto, é possível a união do PSDB com o PDT visando a construção de um nome forte para candidato a governador do Paraná nas eleições 2010 e de um projeto de desenvolvimento econômico e social para o Estado.

“Acho plenamente possível um entendimento mais a frente”, disse Beto, que defendeu que cada partido deva trabalhar seus candidatos de forma independente. “E mais a frente podemos escolher dentro da aliança aquele que reúna as melhores condições para ser o candidato a governador”.

Beto e Osmar são os dois principais pré-candidatos ao governo do Estado segundo as recentes pesquisas de opinião. Em agosto, quando admitiu publicamente a intenção de disputar o governo, Beto disse que toparia um embate limpo com Osmar Dias, mas que preferia tê-lo do mesmo lado.

Osmar, ao responder os comentários de Rossoni, disse que seria fácil o entendimento com o PSDB, bastava o partido cumprir o combinado no ano passado, que, segundo ele, era o apoio da aliança à candidatura do pedetista ao governo.