O confronto capital x interior voltou a ficar em evidência na pesquisa Datafolha/RPC (TRE 1246/2010) divulgada quinta-feira. Depois de, nas últimas pesquisas, o instituto registrar menor disparidade entre os números dos candidatos nas diferentes regiões do Estado, a pesquisa feita entre os dias 13 e 14 de setembro voltou a registrar amplo domínio de Beto Richa (PSDB) em Curitiba e Região Metropolitana e vantagem de Osmar Dias (PDT) no interior do Estado.

Na região da capital, o tucano ganhou quatro pontos em cinco dias, atingindo 58% das intenções de voto, enquanto Osmar perdeu cinco pontos e, hoje, aparece com 28%. A diferença de trinta pontos, no entanto, já foi maior, 43 pontos em 23 de julho (65% a 22%).

Daniel Caron
Osmar: forte no interior do Estado.

No interior, Osmar Dias largou com 10 pontos de vantagem (45% a 35%), chegou a tomar a virada nas pesquisas de agosto, mas voltou a abrir vantagem, crescendo cinco pontos nesses últimos cinco dias (45% a 40%).

A redução em oito pontos na desvantagem para o líder nos últimos 20 dias pode ser atribuída à estratégia de Osmar Dias de colar no presidente Lula e na candidata à presidência pelo PT, Dilma Rousseff.

Se, nas pesquisas de agosto, o eleitorado de Dilma estava dividido entre Osmar e Beto (pequena vantagem para o pedetista 45% a 42%), hoje, o eleitor parece ter feito a associação às chapas.

Entre os que declararam voto em Dilma, 56% responderam que votarão em Osmar e 35% em Beto, índices que já se aproximam à transferência de votos de José Serra (PSDB) para Beto.

Entre os eleitores do presidenciável tucano, 61% votam em Beto, enquanto 31%, em Osmar. O tucano leva vantagem entre os eleitores de Marina Silva (54% a 34%), mas viu a diferença cair em 10 pontos em relação à última pesquisa.

Ciciro Back
Beto: capital eleitoral em Curitiba.

Com a diferença voltando ao patamar das primeiras pesquisas, Osmar Dias também voltou a liderar em alguns fragmentos da sociedade paranaense. O pedetista, por exemplo, já é o preferido entre os eleitores do sexo masculino (43% a 42%), mas Beto tem boa vantagem entre as mulheres (48% a 37%).

Por faixa etária, Osmar só vence entre as pessoas com idade entre 35 a 44 anos. Beto tem sua maior vantagem entre os jovens até 24 anos (54% a 32%). Por nichos, essa vantagem só é inferior à que o tucano tem entre os eleitores com renda superior a 10 salários mínimos, faixa em que vence por 58% a 54%, enquanto entre os que recebem menos de dois salários, a disputa está praticamente empatada (41% a 40%) para o tucano.

O Datafolha também mediu a rejeição dos candidatos, que pode ser decisiva na luta pelo voto dos indecisos. Dezesseis por cento dos entrevistados declararam que não votariam em Osmar, 15% em Beto, 14% em Paulo Salamuni (PV). Os outros candidatos têm rejeição entre 12% e 13%.