Criticado durante a campanha para o primeiro turno por esconder o candidato a presidente da República de seu partido, José Serra (PSDB), o governador eleito do Paraná, Beto Richa disse, durante a coletiva, que sua outra prioridade para as próximas semanas, além de montar a equipe de transição, será manter estrutura de campanha mobilizada para “aumentar a vantagem de José Serra no Estado, a ponto de o Estado poder ser decisivo para a vitória dele”.

Beto disse que sua vitória no primeiro turno, com sete pontos de vantagem sobre o adversário Osmar Dias (PDT) e a vitória de Serra no Paraná é uma resposta aos que criticaram sua candidatura como “desagregadora e em conflito com o plano nacional do PSDB”, como afirmou o senador Alvaro Dias (PSDB).

O tucano prometeu “dedicação de corpo e alma à campanha de Serra” e disse que, além do Paraná, também poderá contribuir para a campanha presidencial tucana nos estados vizinhos, como Santa Catarina, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso.

“Nos próximos dias vou a São Paulo me apresentar para a batalha”, disse. “Eleger o Serra não é uma questão partidária, é uma questão de patriotismo, de elegermos o melhor presidente para o Brasil, o mais preparado, para por fim nesse histórico de escândalos no governo, que não é no segundo ou terceiro escalão, é na Casa Civil, o Ministério mais próximo da presidência da República”, disse. Beto terminou sua primeira entrevista com uma promessa. “Pode ter a certeza. Nós vamos ampliar muito a vantagem do José Serra aqui no Paraná”.