O candidato da coligação Curitiba Melhor Pra Você à Prefeitura de Curitiba, Beto Richa (PSDB), abriu ontem o horário eleitoral gratuito com a simulação de um quadro muito popular na televisão, o “Esta é a sua vida”, onde pessoas ligadas ao candidato falam sobre ele: a primeira professora, a mãe, a mulher, os filhos e os irmãos. O clima emotivo chega ao auge no final do programa, gravado no dia 29 de julho, data do aniversário de Richa, quando familires e amigos invadem o estúdio de gravação.

Ângelo Vanhoni, o candidato da coligação Tá Na Hora, Curitiba, também apresentou a família, falou sobre sua experiência na vida pública, mostrou seu vice, Nizan Pereira, e fez um passeio de carro por Curitiba, apontando locais que podem receber obras nos bairros. Destacou a importância do apoio do governador Roberto Requião ” e de meu amigo Lula” (o presidente da República). No início do programa, um apresentador diz que Curitiba está há 16 anos nas mãos do mesmo grupo político, ” que no começo fez coisas importantes, não se pode negar, mas a cidade cresceu, e com ela suas demandas, o que exige mudanças”.

O PMN, através do candidato Pedro Manoel Neto, cobrou do presidente Luiz Inácio Lula da Silva os 10 milhões de novos empregos prometidos na campanha, o PTC, de Achiles Júnior, reapresentou a gravação sobre a compra de um novo avião para servir ao presidente da República, e o PSTU, com o candidato Gilberto Félix, afirmou que seu partido é contra a exploração das riquezas brasileiras por empresas multinacionais, em alusão ao leilão da ANP.

A única candidata, Vera Helena Teixeira, do PRTB, convidou os curitibanos a discutir soluções para os problemas de Curitiba, enquanto Mauro Moraes (PL) prometeu colocar a Guarda Municipal onde for necessário para garantir mais segurança.

Melo Viana, do PV, se propôs a administrar a cidade com “foco no futuro”, e Leopoldo Castro Campos garantiu ter “o melhor plano de governo em todas as áreas”. O prefeito Cássio Taniguchi foi o coadjuvante do candidato Osmar Bertoldi no espaço do PFL, para divulgar o lema “Curitiba não pode parar”. Ambos apresentaram o programa “Mãe Curitibana”, objeto de disputa com o ex-secretário da Saúde Luciano Ducci, responsável por sua implantação quando integrava a equipe de Taniguchi.

Danilo D”Avila, do PT do B, indagou o que o governo do PT fez “com 99% dos recursos que deveriam ir para o programa do Primeiro Emprego, Fome Zero e Reforma Agrária”. O postulante do PRP, Jorge Luiz, preconizou uma “lição de participação e solidariedade?, e o candidato da coligação do Voto Limpo, Rubens Bueno (PPS) aproveitou o curto espaço de tempo para reforçar, com a apresentação de seu currículo de homem público, sua experiência tanto em administração quanto em política. Hoje o horário eleitoral será destinado aos candidatos a vereador. (Sandra Cantarin Pacheco)

Quatro liminares concedidas

Mais quatro representações com pedidos de liminar deram entrada ontem, na 4.ª Zona Eleitoral de Curitiba. Três delas da coligação Tá Na Hora, Curitiba. A primeira contra o PFL, por uso do horário destinado aos candidatos a vereador pelo candidato a prefeito. A segunda, contra o candidato a prefeito Beto Richa (PSDB) e a coligação Curitiba Melhor Pra Você porque veicularam o programa de rádio sem mencionar o nome da coligação e os partidos que a integram. E a última contra o PTC que ontem, uma vez mais, veiculou propaganda referindo-se à compra do novo avião presidencial e mostrando as imagens do governador Roberto Requião (PMDB), do candidato Vanhoni (PT) e do deputado estadual Rafael Greca (PMDB) como seus tripulantes.

A quarta representação foi apreentada pelo PFL contra a coligação Tá Na Hora, Curitiba, também por uso do horário destinado aos postulantes a vereador pelo candidato à prefeito. O juiz Marco Antônio Antoniassi concedeu liminar a todas elas. A propaganda do PTC, considerada ofensiva, teve sua veiculação proibida sob pena de perda do horário.

Ameaça

Ontem, no início da tarde, as redações de jornais receberam nota da assessoria do candidato a prefeito Achiles Jr., do PTC, informando que “em resposta à propaganda eleitoral veiculada pelo partido nos dias 17 e 18 de agosto, a qual infringe a resolução 21.610/2004 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), artigo 23”, o candidato não é “favorável a esse tipo de propaganda, que denigre a imagem de candidatos, partidos políticos e coligações”. A nota dizia ainda que a direção do partido não havia consultado Achiles Jr. antes de veicular a propaganda e que “se não forem tomadas medidas coerentes a respeito”, ele poderia retirar sua candidatura.

Uma outra nota foi divulgada depois, para informar que o candidato não iria mais desistir de disputar a Prefeitura: “Segundo ele, o tempo disponível na propaganda política continuará sendo utilizado da melhor maneira possível, sempre buscando destacar idéias e propostas de seu plano de governo, e dos demais integrantes do PTC.”

Como sua participação nos debates está vetada, Achiles Jr. disse que usará o espaço da propaganda eleitoral também para mostrar seu ponto de vista em relação aos outros candidatos, “mas nunca atacando-os deliberadamente”.

Sobre o programa que gerou a polêmica, indagou: “O que o PTC disse sobre a compra do avião presidencial é mentira?”. (SCP)