O julgamento da apelação da sentença do ex-deputado Luiz Fernando Ribas Carli Filho foi adiado para a semana que vem no Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR). Os advogados do ex-deputado se utilizaram de uma prerrogativa regimental, que permite pedir adiamento para que o caso tenha prioridade na próxima sessão da 1ª Câmara Criminal. Nesta quinta-feira (29), o processo estava em quarto na pauta.

+ Leia mais: Mesmo condenado, ex-deputado Carli Filho pode não ir pra prisão

Com isso, o caso será julgado pelos desembargadores na próxima quinta (6). O advogado da acusação, Elias Mattar Assad, explicou que o chamado pedido de preferência está no regimento interno do TJ-PR. “Quando há muitos processos em pauta, o advogado pode pedir preferência para que o caso seja colocado em primeiro lugar na semana seguinte”, explicou. O requerimento foi aceito pelo relator do caso, o juiz substituto Naor Rottoli de Macedo Neto. Ele está no lugar do desembargador Telmo Cherem.

O que está em jogo?

Os desembargadores do tribunal irão analisar se o cálculo da pena a ser cumprida por Carli Filho foi adequado. Em fevereiro, no júri popular em que foi condenado, Carli Filho foi sentenciado a 9 anos e 4 meses de prisão pelo juiz Daniel Ribeiro Surdi de Avelar. A defesa pede que a pena seja reduzida para 7 anos, enquanto o Ministério Público de primeira instância pediu que o período seja maior, de 14 anos. O MP de segunda instância, por sua vez, deu parecer sugeriu que a punição seja de 10 anos e 11 meses.

+ Leia mais: Da tragédia ao julgamento: acompanhe a linha do tempo do caso “Carli Filho”

Se os desembargadores decidirem que a pena deve ser menor do que 8 anos, Carli Filho terá direito a cumprir toda a pena em regime semiaberto – ou seja, passar o dia em liberdade e dormir na prisão. Mas, como há poucas vagas para esse tipo de regime no país, é possível que o ex-deputado tenha que usar tornozeleira eletrônica, sem passar qualquer período na prisão.

Mãe de uma das vítimas da colisão de trânsito pela qual Carli Filho foi condenado, Christiane Yared estava no TJ-PR nesta quinta-feira (29) e comentou o adiamento. “Para quem já esperou quase dez anos, mais uma semana não vai fazer diferença. Vamos aguardar e ver o que a Justiça tem a dizer”, afirmou.

Relembre o caso

Na madrugada de 7 de maio de 2009, o então deputado estadual Luiz Fernando Ribas Carli Filho dirigia embriagado e em alta velocidade em Curitiba quando colidiu com o veículo em que estavam Carlos Murilo de Almeida e Gilmar Rafael Yared, que morreram na hora.

+ Leia também: Ladrões invadem prédio comercial de madrugada e fazem a limpa em escritórios

Depois de uma série de adiamentos e outras estratégias para protelar o julgamento, o caso foi a júri popular no final de fevereiro de 2018. Carli Filho foi condenado a 9 anos e 4 meses de prisão.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Adolescente é esfaqueada em frente a escola; suspeita é mãe de colega