Representantes das seis centrais sindicais – CUT, Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central e CSB – anunciaram no final da manhã desta sexta-feira (1º/12) a suspensão da mobilização marcada para 5 de dezembro. Apesar de ser batizada pelos sindicalistas de greve geral, estava confirmada a paralisação de poucas categorias, como professores. O motivo é a informação de que a proposta de Reforma da Previdência não será votada na próxima semana.

“Ressaltamos que a pressão do movimento sindical foi fundamental para o cancelamento da votação da Reforma da Previdência. Por isso é importante nos manter mobilizados e em estado de alerta de greve”, diz a nota divulgada pelas entidades.

As centrais sindicais prometem intensificar também a luta por mudanças na Medida Provisória (MP) da Reforma Trabalhista, que está em análise no Congresso Nacional. “Reafirmamos nossa luta por um país mais justo, com aposentadorias dignas, emprego e renda para todos”, finaliza o comunicado.