Coronel Mayele, chefe de uma milícia congolesa acusado de comandar o ataque no qual 500 mulheres foram estupradas, foi preso hoje, informou à Associated Press uma fonte na Organização das Nações Unidas (ONU). Mayele foi preso hoje por tropas de paz do órgão, detalhou a fonte. “O suspeito foi preso e transferido para a sede do exército”.

A prisão acontece durante visita ao Congo da representante especial da ONU para violência sexual, Margot Wallstrom. De acordo com a ONU, o ataque liderado por Mayele em Luvungi, entre 30 de julho e 3 de agosto, foi marcado por estupros em massa. O leste do país é palco de confrontos entre rebeldes hutus e uma milícia Mai-Mai. A região é rica em recursos minerais.