O governador reeleito do Ceará, Cid Gomes (PSB), disse hoje que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai reforçar a presença dele na campanha no Nordeste no segundo turno das eleições presidenciais. “Vai reforçar, inclusive lá no Ceará”, disse Cid, após participar de reunião de Lula com os governadores e senadores aliados eleitos.

Na avaliação de Cid, Lula foi pouco ao Norte e ao Nordeste no primeiro turno. “E a liderança dele lá é muito forte. Podemos ampliar a maioria que a Dilma (candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff) já teve”, afirmou.

Segundo o governador, a presidenciável petista teve 66% dos votos no Ceará. “Mas é razoável e possível que a gente pense em chegar a 80% no segundo turno.” Ele defendeu que haja uma divisão de tarefas no segundo turno, com Dilma de um lado e Lula de outro, de modo a “ocupar mais espaço”.

Cid disse que, pessoalmente, defende que Lula se licencie do cargo para dedicar mais tempo à campanha. Mas, segundo ele, antes mesmo de manifestar essa ideia ao presidente, Lula já disse que não faria isso.

O governador do Ceará também comentou a respeito do crescente debate sobre aspectos morais e religiosos que, para alguns analistas, ajudaria a explicar a queda de Dilma e o avanço de Marina Silva (PV) no primeiro turno. Segundo ele, essa não é uma questão essencial, pois o Brasil sempre foi um país de liberdade religiosa.

Cid reforçou que Dilma é contra o aborto e a favor da liberdade da religião, mas, para ele, os problemas do Brasil são outros, como o combate à pobreza. “Há uma superestimação de questões que não estão no dia a dia da população. A Dilma tem posição clara para todas essas questões, mas essa não é a agenda principal do Brasil”, disse.