Faltando duas semanas para seu depoimento ao juiz Sergio Moro, em Curitiba, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva passou a ter novos motivos para se preocupar. Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS e atualmente condenado pela Lava Jato, deu várias informações novas sobre as negociações da empreiteira com o PT. Informações que, caso sejam comprovadas, mostrariam que Lula não apenas se beneficiou de dinheiro ilícito como sabia de tudo que estava acontecendo ilegalmente nas negociações entre seu partido e as grandes construtoras.

LEIA MAIS: “Se puder, serei candidato”, diz Lula

Pinheiro, que está negociando uma delação premiada, falou a Sergio Moro nesta semana. Disse que o tríplex do Guarujá sempre foi destinado a Lula e sua família; que o apartamento foi decorado com dinheiro de propina da Petrobras; e que o ex-presidente pediu pessoalmente a destruição de provas que incriminassem o PT. A defesa de Lula disse que o empresário estava apenas tentando “seduzir” Moro para conseguir a delação e diminuir seu tempo de cadeia – e que o Pinheiro não conseguiu apresentar qualquer indício de que estaria falando a verdade.

Veja abaixo cinco motivos para Lula se preocupar com o novo depoimento.

1-Destruição de provas

Uma das acusações mais graves feitas pelo empreiteiro é de que em junho de 2014 Lula teria se encontrado com ele e perguntado se Pinheiro mantinha provas de pagamentos ilícitos ao PT. “Se tiver, destrua”, teria dito Lula.

2-Tríplex seria de Lula

O ex-presidente sempre negou que o apartamento de três andares no Guarujá, litoral paulista, fosse dele. Defende a tese de que a família chegou a ter a opção de compra de um apartamento no condomínio, mas refuta a possibilidade de que pudesse ganhar o tríplex como presente da empreiteira. No depoimento, Léo Pinheiro disse que a OAS assumiu o prédio já recebendo instruções da antiga proprietária, a Bancoop, de que o tríplex pertencia a Lula. “O apartamento era do presidente Lula desde o dia que me passaram para estudar os empreendimentos da Bancoop [cooperativa habitacional dos bancários]. Já foi me dito que era do presidente Lula e de sua família. Que eu não comercializasse”, disse.

3-Casal comandando reformas

Sempre se soube que o tríplex do Guarujá foi reformado. A disputa gira em torno de quem estava por trás da reforma. Lula sempre negou que ele e a falecida esposa, Marisa, tivessem relação com a decoração do imóvel. Léo Pinheiro diz que tudo foi feito a pedido dos dois. “Todas as modificações ocorreram por solicitação no dia da visita que fui com o presidente e a ex-primeira-dama no tríplex. Foi fruto da nossa visita. Foi determinado que fizéssemos a modificação.” Segundo o empreiteiro, se Lula desistisse do imóvel, a empresa teria problemas, já que tudo foi feito de maneira muito “personalizada”.

4-Reforma com propina

Pinheiro afirma que a OAS não teve prejuízo com as reformas do apartamento porque teria recebido dinheiro ilícito da Petrobras para fazer as modificações. É o que no linguajar usado no depoimento ele chama de “encontro de contas”. A propina viria da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. “[O então tesoureiro do PT, João] Vaccari disse, naquela ocasião, que, como se tratavam de despesas pessoais, ele iria consultar o presidente. Voltou para mim, disse tudo ok, você pode fazer o encontro de contas. Não tenho dúvidas se ele sabia ou não, claro que sabia”, disse.

5-Mudança do Palácio

Léo Pinheiro também falou sobre a contratação da Granero para fazer a mudança dos objetos de Lula quando ele saiu do Palácio. Uma das acusações que o presidente enfrenta é a suposta ilegalidade no pagamento da remoção e guarda de seus pertences. O empreiteiro afirma que a OAS gastou R$ 1,2 milhão com a contratação da Granero, a pedido de Paulo Okamotto, braço-direito de Lula.