Afastado nos últimos anos do poder, após mais de cinco décadas de protagonismo na política do Maranhão, o clã Sarney se articula para voltar ao comando do Estado. Sarney se elegeu deputado pela primeira vez em 1955, liderou a Arena e o PDS no regime militar, presidiu o País após o fim da ditadura (1985-1990) e desde essa época aliou-se a todos os governos eleitos. “Ele serviu a todos os presidentes e hoje usa o boné do PT, mas já prepara o bote para trair Lula em 2010”, diz o deputado Domingos Dutra (PT-MA).

Depois de um breve abalo em 2006, quando Roseana Sarney (PMDB) perdeu a eleição para o governo do Estado, o clã está de volta com a provável escolha do patriarca para presidir, pela terceira vez, o Senado. Para a oposição, no entanto, isso seria um “retrocesso”.

“É a mesma artimanha: ele sempre usou o Maranhão e o PMDB como moeda de troca para chantagear o governo e se manter no poder através dos tempos”, ataca o deputado Julião Amin (PDT-MA).