O Partido dos Trabalhadores (PT) tentava uma aliança com o PCdoB para estas eleições a governador do Paraná, o que provavelmente renderia a Doutor Rosinha um vice do PCdoB. No entanto, a aliança não se concretizou e o PT formou uma chama pura, com candidato a governador e vice pertencentes ao próprio PT.

Então a escolhida do partido foi a jornalista Anaterra Viana, 37 anos, que já foi candidata a deputada federal e a vereadora em Curitiba. Dentro do partido, Anaterra é Secretária de Mulheres do Paraná e foi uma das mais atuantes figuras na composição do plano de governo de Doutor Rosinha.

Tribuna: Como vocês analisam a importância de um vice, que para o leitor em geral, passava despercebido há até alguns anos?

Anaterra: Nós enquanto Partido do Trabalhadores (PT) viemos com chapa pura. Rosinha como candidato ao governo, eu a vice, ambos do PT. Então temos a confiança de que nós dois vamos trabalhar e batalhar pelo mesmo projeto político, que é o projeto do PT. Isso nos traz uma segurança não só do nosso papel, mas da confiança da vice que está ao lado do Doutor Rosinha. E eu participei do plano de governo dele, ajudei a construir, participei não só durante a campanha, mas da pré-campanha. Sou secretária de mulheres do PT-PR, então cumpro uma função importante. Cumpri a função de organizar as candidatas da nossa chapa proporcional para as nossas eleições. Então estamos confiantes com essa vice, pois acreditamos no mesmo projeto, estamos na mesma trincheira.

Tribuna: Pelo sistema político brasileiro, são comuns as composições, que acabam rendendo um vice. A chapa pura é uma saída para evitar algumas ciladas que estão ocorrendo por aí?

Anaterra: Até tentamos uma aliança com nossos aliados históricos, que é o PCdoB, mas eles optaram por outro projeto e nós respeitamos, porque sabemos que é da política. Mas alguns partidos disseram que estávamos numa radicalidade muito grande na defesa do presidente Lula e na defesa do próprio partido. Mas estamos muito tranquilos de irmos sozinhos. É como eu disse, a confiança é mútua. E no final das constas foi bom para nós, porque estamos com duas gerações diferentes do partido: o Doutor Rosinha, que é fundador do PT, é histórico, e eu que sou nova, uma renovação na política dentro do Partido dos Trabalhadores. Foi muito bom construir essa campanha com ele, trocando ideias e experiências de gerações diferentes.