A Assembléia Legislativa aprovou ontem, em segunda votação, o projeto de lei de iniciativa do governo que autoriza a Copel a aumentar de 40% para 70% sua participação acionária na Elejor – Centrais Elétricas do Rio Jordão – mediante aquisição da parcela de propriedade da Triunfo Administração e Participações. O projeto será votado hoje em terceira discussão, encerrando o debate sobre a matéria.

O governo já comprou 30% das ações da empresa Triunfo na Elejor, em operação realizada no ano passado. “O nosso parlamento está dando uma clara demonstração de apoio e de confiança não só à Copel mas, sobretudo, aos princípios que orientam as ações do governador Roberto Requião”, disse o presidente da Copel, Paulo Pimentel. “Ao querer fazer da Copel a controladora da Elejor com 70% das ações, o governador está oferecendo uma demonstração muito clara de zelo com o interesse da população paranaense, pois conserva nas mãos da administração pública o poder de decidir o destino da energia elétrica a ser produzida naquelas usinas.”

Para que a operação de compra das ações da Elejor pertencentes à Triunfo possa ser concretizada, falta ainda a manifestação formal do Conselho Administrativo da Ordem Econômica (Cade), que tem reunião agendada para o próximo dia 15 de setembro. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), organismo regulador do setor elétrico brasileiro, já havia dado sua aprovação ao projeto no final de julho.

Capacidade

A Elejor é uma empresa formada para construir, operar e comercializar a produção de energia num conjunto de hidrelétricas denominado Complexo do Rio Jordão, situado na região central do Paraná, cuja concessão foi arrematada num leilão de novas usinas feito pela Aneel, em junho de 2001.

O complexo é formado pelas hidrelétricas de Santa Clara e Fundão, os aproveitamentos principais, cada qual com potência projetada de 120 megawatts, e complementado por duas pequenas centrais que somam 5,9 megawatts de potência. No conjunto, tais obras terão capacidade para abastecer uma população de aproximadamente 600 mil pessoas.

Os empreendimentos estão localizados na divisa dos municípios de Candói e Pinhão, na região dos Campos de Guarapuava. As obras estão dentro do cronograma: a primeira unidade geradora da Usina Santa Clara tem previsão de iniciar operação em meados de 2005 e a última da Usina Fundão, no segundo semestre de 2006.