Ao que tudo indica, o PPS ficará mesmo fora da Frente Trabalhista no âmbito estadual. A convenção que acontece depois de amanhã, à partir das 9h na Sociedade Universal (rua Comendador Roseira), em Curitiba, vai homologar a candidatura do deputado federal Rubens Bueno ao governo do Estado. Vai também oficializar as chapas de candidatos à Assembléia Legislativa e à Câmara Federal, indicar o vice de Rubens e um candidato ao Senado (que poderão ser de outros partidos ora em negociações com o PPS) e eventualmente aprovar alianças partidárias.

No total, 505 convencionais – entre delegados, membros do diretório estadual e presidentes dos diretórios municipais – estão credenciados a votar na convenção do PPS, informou o secretário-geral da executiva estadual, Rubico Camargo. O lançamento da candidatura de Rubens Bueno representa a homologação de proposta aprovada no II Congresso Estadual do PPS, realizado em Curitiba no dia 30 de novembro do ano passado. “A convenção também vai votar e aprovar resoluções que estão sendo apresentadas pelos filiados. Algumas delas constituem moções programáticas, outras dizem respeito à ação partidária e de seus candidatos”, revelou o secretário-geral da executiva estadual.

Consciente

Rubico Camargo disse que o PPS/PR está absolutamente consciente de suas perspectivas na sucessão estadual. “O nosso partido desempenhará um papel fundamental nesta eleição. O quadro que se desenha favorece de forma excepcional a vitória de um projeto novo, inteiramente desvinculado da política tradicional, cujos vícios e mazelas já não são mais tolerados passivamente pelo eleitor”, disse Camargo.

“Não contamos com o poder econômico e muito menos com o poder político convencional. Ninguém vai ver, em nossa campanha, candidatos esbanjando dinheiro ou utilizando a máquina administrativa do poder público em busca de votos. E é exatamente isso que vai nos favorecer: uma campanha limpa, baseada em propostas consistentes, com um candidato que tem um passado de credibilidade, sem máculas e sem os vícios da política tradicional”, disse o dirigente do PPS.