Uma iniciativa do deputado estadual Reni Pereira (PSB) causou maior bafafá no PSB paranaense. Reni visitou, ontem, o presidente do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Vitor Hugo Burko, convidando-o a ingressar no partido.

Burko, que aparece nas pesquisas como pré-candidato do PV ao governo do Estado em 2010, foi apontado por Reni como bom nome para disputar a sucessão estadual pelo PSB, que deverá ter o deputado federal Ciro Gomes como candidato à Presidência da República.

A notícia, que vazou por email distribuído pelo próprio Burko, confirmando o convite, mas negando o interesse em trocar de legenda, irritou a direção do PSB, que já tem aliança fechada com o prefeito de Curitiba, Beto Richa (PSDB) e conta com a candidatura de Beto para assumir a prefeitura de Curitiba, com o vice Luciano Ducci (PSB).

“O PSB não convidou ninguém, só se foi iniciativa pessoal do deputado. Mas para ser candidato a governador, não há a menor hipótese. Para compor outra candidatura, ele (Burko) até será bem recebido”, disse o presidente do partido, Severino Araújo. “O PSB já tem candidato ao governo e seu nome é Beto Richa. A executiva já tomou a decisão e o deputado Reni, que faz parte da executiva, não só tem conhecimento disso como concordou”, disse.

Aliocha Maurício
Burko não aceitou convite.

Reni Pereira disse que procurou Burko para convidá-lo a se filiar ao PSB e ao chamado grupo dos “Novos Políticos”, organização suprapartidária destinada a repensar a prática política. Mas admitiu que o convite contempla também a possibilidade de candidatura ao governo em 2010.

“Quem entra num partido, tem que estar disposto a se candidatar a tudo. Só não para presidente da República porque nós já temos o Ciro”, disse. Para ele, o convite a Burko não deveria trazer desconforto. “Respeito a posição do Severino, mas as convenções são no próximo ano e o partido tem que se fortalecer e não ficar esperando definições dos outros”, afirmou.

O argumento de Reni é que o PSDB tem dois pré-candidatos o prefeito Beto Richa e o senador Álvaro Dias mas que o PSB estaria disposto a ceder seu apoio apenas ao prefeito de Curitiba. “E se o outro candidato for o indicado, como ficamos? Vamos ficar com a brocha na mão? O plano B é sempre bom na política”, disse.

Daniel Caron
Reni Pereira: “Pode ser o plano B”.

O vice-prefeito de Curitiba, Luciano Ducci, considerou a iniciativa de Reni “uma piada de mau gosto”. Ele lembrou que o PSB tem compromisso de apoio a Beto que é avalizado pelo diretório nacional do partido. “Não acredito que o deputado tenha tido esse objetivo. Acho que ele deve ter convidado o Burko para ser candidato a deputado estadual”, disse.

O vice-prefeito também disse duvidar que Reni tenha sondado a possibilidade de fazer de Burko pré-candidato ao governo sem consultar as executivas nacional e estadual.

 “Ninguém está autorizado a fazer convites para a disputas de cargo majoritário sem essa consulta”. Ducci considerou estranha a necessidade de o PSB ter plano B. “Quem tiver pensando em plano B deve procurar outro partido. E esse recado serve para qualquer um que tiver interesse em criar plano B”, reagiu.

A situação do PSB sempre foi vista como problema para a provável candidatura de Beto Richa ao governo do Estado. Apesar de aliado dos tucanos no Paraná, o PSB faz parte da base de apoio do governo Lula e, ficar&,aacute; numa posição estranha com a polarização das eleições estaduais e nacionais entre o PSDB e a base de Lula. Situação que se agrava com o crescimento da candidatura de Ciro Gomes.