Interventor informal dos Correios, o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, disse ontem ao jornal O Estado de S. Paulo que a empresa poderá sofrer mudanças após as eleições. “Está próximo o processo de sucessão. Imagino que, já na transição, vai se discutir o que será feito ali”, afirmou Bernardo, que concluiu um relatório diagnóstico sobre a situação da estatal, a ser entregue ao presidente Lula em novembro.

Entre as recomendações está a redução do loteamento político para que as diretorias regionais passem a ser ocupadas por funcionários de carreira. Nos bastidores, as demissões do atual presidente dos Correios, David José de Matos, e do diretor comercial, Ronaldo Takahashi, são dadas como certas. Às vésperas do segundo turno, Bernardo evitou jogar combustível na crise. “As pessoas atacam muito o presidente (Matos), mas é bom lembrar que ele entrou lá há três meses”.

Matos chegou ao posto pelas mãos da ex-ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, de quem é amigo. Takahashi também é ligado a ela – nos corredores, é chamado de “diretor-ministro”. O presidente dos Correios comandou uma licitação considerada irregular pelo Ministério Público, que resultou na contratação da empresa aérea Total por um valor R$ 2,8 milhões acima do estabelecido em edital, conforme informou o Estado no domingo.