O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), minimizou o vazamento do diálogo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o executivo Alexandrino de Salles Ramos Alencar, da Odebrecht, captada em interceptação telefônica e divulgada nos autos da Operação Lava Jato e afirmou achar estranho tamanha divulgação ao caso. “Acho estranho que se dê tanta divulgação para uma conversa trivial”, disse Costa, lembrando que o ex-presidente não é impedido de conversar com empresários e que não há nada que ligue Lula à Lava Jato.

“Naquele momento, o empresário não estava preso, não tinha qualquer acusação contra si; era alguém que era interlocutor do presidente. No dialogo, não há nada comprometedor”, disse. “Ninguém é impedido de ter qualquer conversa com empresários e não há nada que vincule o presidente Lula a qualquer tipo de ato de corrupção, de irregularidade. É preciso provar e acho que é muito difícil que isso aconteça”, disse Costa, que foi ministro da Saúde quando Lula assumiu a Presidência, em 2003.

Calmaria

Costa afirmou que o governo, com dificuldades, está conseguindo “rearrumar a casa”, numa referência à calmaria política desta semana em Brasília, lembrou que a presidente Dilma Rousseff conseguiu o apoio de vários movimentos sociais. “A soma disso tudo melhorou um ambiente político”, disse.

Sobre economia, o senador previu dificuldades ainda este semestre, mas avaliou que a partir do quarto e último trimestre deste ano “teremos inflação em baixa significativa e talvez os primeiros indícios de que a economia pode voltar a crescer”, concluiu.

Tivemos várias manifestações, algumas bastante expressivas. Encaramos o direitos como algo natural. Espero que isso ocorra sem agressão, isso faz parte do jogo democrático. Vamos investir para que no dia 20 haja uma grande manifestação em solidariedade ao governo e, principalmente, em defesa da democracia. (Gustavo Porto – gustavo.porto@estadao.com e Daiene Cardoso – daiene.cardoso@estadao.com)