Integrantes da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito do Banestado do Congresso Nacional, que está investigando a evasão de divisas do Brasil para o exterior através das chamadas contas CC5, estarão em Curitiba na quinta e na sexta-feira da próxima semana (dias 29 e 30) para cumprir uma série de diligências na cidade.

Segundo o relator da comissão, deputado José Mentor (PT-SP), os deputados pretendem ouvir diversas pessoas envolvidas no caso. Até ontem, não estava ainda definido se o doleiro Alberto Youssef, denunciado pelo Ministério Público (MP) federal de sonegar mais de US$ 33 milhões em impostos entre os anos de 1996 e 1999, será uma delas.

Além de Mentor, devem integrar a comitiva o presidente da CPMI, senador Antero Paes de Barros (PSDB-MT), a senadora Ideli Salvati (PT-SC) e a deputada federal Clair da Flora Martins (PT-PR).

Definição

A deputada Clair Martins explicou que na próxima terça-feira (27) os membros da comissão vão se reunir para decidir quem será ouvido no Estado. Na primeira visita que fez ao Paraná, os membros da comissão não conseguiram colher o depoimento de Youssef, que só se dispunha a falar em juízo. Até ontem o advogado do doleiro, Antonio Augusto Figueiredo Basto, não tinha sido informado oficialmente da vinda da CPMI, mas declarou que seu cliente “não fala para políticos??.

Antes do adiamento da vinda a Curitiba para se reunir com a força-tarefa integrada pelo Ministério Público, Receita Federal e Polícia Federal, o presidente da CPMI, senador Antero Paes de Barros havia manifestado a intenção de aproveitar a diligência para também tentar ouvir Toninho Barcelona, esperado para depor na comissão no último dia 20, mas que não compareceu e agora está sendo procurado pela Polícia Federal.

Na última quinta-feira a Força-Tarefa do MPF denunciou 49 pessoas por movimentações financeiras fraudulentas em contas correntes de “laranjas” no ano de 1996. Entre os denunciados está o ex-presidente do Banestado, Domingos Murta Ramalho, e vários ex-diretores e gerentes da instituição.