A presidente Dilma Rousseff e o PT não foram os únicos alvos dos protestos de hoje na Esplanada dos Ministérios. Os manifestantes também dispararam críticas aos presidentes da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado Federal, Renan Calheiros (PMDB-AL). O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, também foi alvo das desconfianças dos manifestantes pela demora no oferecimento das denúncias dos envolvidos na operação Lava Jato.

“Senhor procurador geral da Republica, a técnica e a justiça não fazem conchavos! De que lado o senhor está?”, dizia um dos panfletos distribuídos.

A dona de casa Olga Hermeto, 83 anos, e os filhos Henrique, 53 anos, e Ana Maria, 52 anos, foram à Esplanada dos Ministérios com placas com o nome do ex-presidente Lula ao lado de grades de prisão e a expressão “Je suis Sérgio Moro”, o juiz responsável pela operação Lava Jato. Na placa, o nome de Janot estava ao lado de uma interrogação.

“A gente está sem saber o que ele (Janot) vai fazer”, disse Olga ao ser questionada sobre Janot. “Espero que ele tome uma posição mais clara”, pediu o seu filho, Henrique.

Para a filha Ana Maria Hermeto, os presidentes Renan e Cunha também vão cair. “É uma questão de tempo. O Congresso está completamente comprometido com suas próprias vontades e não com o povo”, afirmou.

De um dos carros de som, manifestantes, aos gritos, chamaram o presidente do Senado de “vagabundo”. Em um dos panfletos, foi dado um recado a Renan: “O Brasil não esqueceu o seu passado.” Para Eduardo Cunha, outro recado: “Nossos heróis nunca serão corruptos.”

Uma faixa colada num carro de som mostrava a linha sucessória à Presidência da República formada pelo vice-presidente Michel Temer, Eduardo Cunha, Renan Calheiros e o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski. O detalhe é que todos os nomes estavam marcados um “x” na cor preta.