O presidente da Assembléia Legislativa, deputado Hermas Brandão (PSDB), deu prazo até segunda-feira (dia 5) para que a assessoria jurídica da Casa se manifeste sobre a possibilidade ou não da retirada de assinaturas no requerimento de criação da polêmica CPI do Porto. A oposição, que já se reuniu e escolheu presidente e relator para a comissão, argumenta que isso não pode acontecer depois que a matéria foi publicada no Diário Oficial da Assembléia.

Se, ainda assim, a questão for aberta para a retirada de assinaturas, abre espaço também para o recebimento de novos apoios, o que permitirá, de qualquer modo, a sua instalação.

Para os quatro parlamentares que manifestaram a intenção de retirar o apoio ao requerimento – Nelson Garcia (PSDB), Nelson Tureck (PSDB), Luiz Accorsi (PSDB) e Luiz Nishimori (PSDB) – há cinco dispostos a assinar: Valdir Rossoni (PSDB), Plauto Guimarâes (PFL), Luciano Ducci (PSB), Luiz Carlos Martins (PSL) e Fernando Ribas Carli (PP).

O deputado Durval Amaral, eleito presidente da CPI na sessão realizada segunda-feira, informou que vai continuar cobrando a indicação oficial dos nomes do PMDB.