O líder do governo no Senado, Delcídio Amaral (PT-MS), sinalizou nesta quinta-feira, 24, ser a favor de um eventual uso de reservas internacionais para conter a alta do dólar, conforme admitiu mais cedo o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini. “Evidente que o presidente do BC tem muito mais autoridade de dizer isso (o uso de reservas), se ele está falando, quem sou eu para questioná-lo. E o Brasil tem reservas cambiais relativamente confortáveis”, disse.

Para Delcídio, Tombini está preocupado com razão porque o dólar está “descolado” e isso traz consequências. Ele citou que a alta do câmbio impacta diretamente o processo inflacionário.

“Talvez o maior carrasco da economia seja a inflação e o governo está preocupado com isso. A insegurança que isso traz, tem gente que tira dinheiro do País, tem investidor que está aplicando em letra do Tesouro americano praticamente com remuneração zero. Isso aí tem que ser estancado, temos que resgatar o câmbio para um patamar factível”, disse.