O presidente nacional do PPS, deputado Roberto Freire (SP), disse hoje que o presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT-RS), não pode censurar parlamentares e a sociedade de se expressarem sobre o mensalão no Congresso.

Para Freire, Maia precisa respeitar a liberdade democrática e não se opor aos debates do país. O parlamentar disse que proibições valem apenas quando as regras legais são quebradas.

“Ninguém pode ser impedido de se manifestar livremente no Congresso. Espero que ele não queira proibir os parlamentares de expressarem a sua opinião seja ela qual for”, disse Freire.

O petista decidiu impedir que os deputados façam manifestações no plenário da Casa sobre o mensalão durante o julgamento do caso pelo STF (Supremo Tribunal Federal). Sob o argumento de que o processo não pode ser “contaminado” pelo debate político, Maia afirmou que não irá permitir faixas, cartazes ou outras formas de manifestação a favor ou contra a condenação dos réus.

Como presidente da Câmara, Maia tem o poder de cortar o microfone se os discursos virarem ofensas ou manifestações que ultrapassem o uso da palavra, tais como estender faixas no plenário. Ele sabe, porém, que não pode evitar os discursos.

Freire afirma que que os debates e manifestações devem seguir o regimento da Casa. “Afinal o parlamento não é praça pública. Vivemos ainda em um país democrático”.