O juiz Thiago Flôres Carvalho, da 2ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba, condenou o deputado estadual Jonas Guimarães (PSB) por improbidade administrativa. O magistrado entendeu que o político utilizou indevidamente a verba de ressarcimento disponibilizada mensalmente pela Assembleia Legislativa do Estado do Paraná (Alep) para despesas relacionadas à atividade do mandato.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Guimarães usou o dinheiro para imprimir 15 mil cartões de Natal e 15 mil cartões de aniversário, destinado a eleitores, o que configuraria autopromoção com dinheiro público. Saiba o que diz o deputado.

Além de pagar multa civil, o parlamentar deverá ressarcir todos os valores desembolsados pela gráfica para a confecção dos materiais, o que será apurado em liquidação de sentença. Cabe recurso da decisão.

A sentença, assinada no último dia 15, é resultado de uma ação civil de improbidade administrativa proposta pelo Ministério Público do Estado do Paraná (MP-PR) em 30 de agosto de 2017.

+Leia também: Aplicativo oficial de táxi de Curitiba deve ser lançado em julho pela Prefeitura

No processo, em resposta ao juiz, a defesa de Guimarães já havia sustentado que a conduta do parlamentar “não se caracteriza como ato de improbidade administrativa, tendo atuado o réu em atenção às normas internas da Alep”.

Guimarães também alegou que a impressão de materiais do tipo é praticada de forma corriqueira pelos membros do parlamento.

Em seu despacho, o juiz argumenta que “a interiorização da prática de atos ilícitos, como lícitos fossem, não transmutam a natureza do ato”: “O costume contrário às normas legais não tem o condão de tornar lícito o desperdício do dinheiro público em benefício da manutenção de laços eleitorais”.

Outros parlamentares também estão sendo processados por situações semelhantes.

Risco de explosão após vazamento de gás bloqueia quadra inteira em Curitiba