Depois de se reunir com o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, o vice-presidente Michel Temer, telefonou, no início da tarde desta terça-feira, 5, à presidente Dilma Rousseff e ao ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, a fim de pedir aos dois ajuda para convencer o PT a bater o martelo em favor da Medida Provisória nº 665, que será votada no plenário da Câmara nesta terça-feira, 5. O vice-presidente teme que, não havendo compromisso firmado do PT para a aprovar a MP que restringe acesso ao seguro-desemprego e ao abono salarial, não consiga assegurar os votos dos demais partidos da base aliada.

Imediatamente, a presidente Dilma telefonou aos ministros petistas da Previdência, Carlos Gabas; das Comunicações, Ricardo Berzoini; da Secretaria-Geral, Miguel Rossetto; e da Secretaria de Direitos Humanos, Pepe Vargas, e pediu que cancelassem suas agendas e se deslocassem para o Congresso, a fim de participar da reunião de coordenação da bancada petista. A presidente Dilma quer que o PT feche questão em torno da votação da MP 665, para evitar alimentar dissidências em outros partidos, em particular o PMDB.

Na conversa com Dilma, Temer explicou que o fato de o PT não ter fechado questão em torno da matéria na manhã desta terça-feira trouxe grande preocupação à coordenação política do governo. Sem o PT sinalizar e confirmar que apoiará as medidas, não havia como querer impor ao PMDB e aos demais partidos da base que votassem pelo ajuste, deixando estes ficarem com o ônus, enquanto os petistas ficavam com o bônus. A presidente Dilma está em seu gabinete, sendo informada por Mercadante e pelos demais ministros do desenrolar dos acontecimentos no Congresso.