Sem grandes surpresas, o primeiro programa do horário eleitoral dos candidatos ao governo do Paraná veiculado ontem na TV foi centrado em apresentar o que cada um considera como seus pontos fortes.

Beto Richa (PSDB) lembrou de sua gestão à frente da prefeitura de Curitiba e Osmar Dias (PDT) reforçou seu conhecimento sobre as diferentes regiões do Paraná e a influência que tem em Brasília.

Caminhando pelo campo, Beto falou sobre metas a cumprir, como a implantação do programa Mãe Paranaense, aos moldes do Mãe Curitibana, de acompanhamento às gestantes. As pesquisas que o apontaram por dez vezes como melhor prefeito do Brasil não ficaram de fora.

Beto afirmou ter boa capacidade de dialogar com diferentes setores e o bom relacionamento que manteve com o governo federal. Para não se restringir à capital, lembrou que nasceu em Londrina e não deixou de citar o pai, o ex-governador José Richa.

O candidato disse ter orgulho da aliança de apoios e apresentou seu vice, Flávio Arns (PSDB). O programa mencionou as recentes pesquisas, que mostram Beto na liderança da corrida para o governo.

O presidenciável José Serra (PSDB) deu as caras no programa ao lado de Beto, durante o clip de exibição. No programa de Osmar, uma gravação de voz do presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu votos ao candidato.

Foram reproduzidos trechos do encontro que Osmar teve na última segunda-feira com empresários na Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), vinculando-o a uma imagem de político preparado para assumir o governo. Foi citada a necessidade de descentralizar o desenvolvimento do Paraná, aproveitando as vocações regionais.

Osmar falou na manutenção dos programas sociais que vêm dando certo no Paraná e na urgência de obras de duplicação de rodovias, como nos trechos de Guaíra – Maringá e Rio Branco do Sul -Curitiba. Osmar reforçou sua atuação no Senado. “É preciso ter voz forte em Brasília”, declarou.

O PV atrelou a imagem dos candidatos ao da presidenciável Marina Silva. O candidato Paulo Salamuni destacou a possibilidade de mudanças e de avanços sociais.

O candidato Luiz Felipe Bergmann (PSOL) reforçou o discurso de ser diferente dos outros candidatos. Robinson de Paula (PRTB) lançou mão de temas como falta de policiais e problemas no Judiciário.

Pelo PSTU, Avanilson Araújo lembrou o primeiro debate televisivo e disse que os principais candidatos na disputa defendem os mesmos interesses. O PCB foi o único partido que não utilizou o tempo destinado à propaganda eleitoral.

Os principais candidatos ao Senado dedicaram o primeiro programa a se apresentar aos eleitores, relembrando sua história de vida. Roberto Requião (PMDB) apresentou a família e destacou avanços durante seu governo no Paraná.

Gleisi Hoffmann (PT) defendeu aposentadoria para as donas de casa. Já Gustavo Fruet (PSDB) e Ricardo Barros (PP) contaram suas carreiras políticas. Barros teve um depoimento de Beto e Fruet de Serra.