Foto: Arquivo
Dobrandino: CEI vai apurar denúncias em gastos com verbas.

A bancada governista ficou com a presidência e a vice-presidência da Comissão Especial de Inquérito (CEI) destinada a apurar denúncias de irregularidades na distribuição das verbas oficiais de propaganda do governo do Estado, nos anos de 2005 e 2006.   

O deputado Dobrandino da Silva (PMDB) será o presidente e o deputado Elton Welter (PT) ocupará a vice-presidência da comissão, instalada ontem à tarde pela Assembléia Legislativa. Mas a bancada de oposição obteve a relatoria, indicando o deputado Reni Pereira (PSB).

O relator afirmou que, por enquanto, a comissão não irá marcar depoimentos. O primeiro trabalho será solicitar ao governo que esclareça os critérios para a partilha das verbas entre os vários meios de comunicação. ?Depois que tivermos essa informação, vamos confrontá-la com o relatório do Tribunal de Contas sobre a área?, disse Pereira.

Pereira já solicitou cópia do relatório ao autor das denúncias e da proposta de CEI, deputado Marcelo Rangel (PPS), que recebeu cópia do relatório do Tribunal de Contas sobre os gastos da Secretaria de Comunicação durante os dois anos. Rangel será suplente do líder da bancada de oposição, Valdir Rossoni (PSDB), na comissão, e somente participa se o tucano faltar.

Mas Rangel é também presidente da Comissão de Obras Públicas, Transporte e Comunicação da Assembléia Legislativa e vai se servir da posição para trabalhar paralelamente à CEI. Ele criticou a escolha de Dobrandino para a presidência, alegando que o deputado é governista e proprietário de emissora de rádio, em Foz do Iguaçu, o que comprometeria sua isenção na condução dos trabalhos. ?O Dobrandino já questionou a comissão na tribuna. Eu o considero suspeito?, atacou.

No paralelo

Rangel apresentou ontem, na Comissão de Comunicação, uma série de requerimentos solicitando informações e também um convite para o presidente da Cohapar, Rafael Greca, prestar esclarecimentos sobre os gastos do governo com propaganda. Rangel justificou que Greca é ex-secretário de Comunicação Social do ex-governador Jaime Lerner (PSB) e, por isso, teria condições de ajudar a comissão especial a entender o uso dos recursos destinados à propaganda no atual governo. Rangel, por enquanto, desistiu de insistir no depoimento do secretário de Comunicação Social, Airton Pisseti, para explicar aos deputados estaduais os critérios adotados pelo governo na distribuição de verbas de publicidade.

O deputado também disse que aprovou ainda a requisição de informações sobre a relação dos servidores lotados na Secretaria de Comunicação e as despesas de funcionamento da pasta. Rangel disse que irá repassar todos os dados à CEI.