O governador Roberto Requião (PMDB) e o prefeito de Curitiba, Beto Richa (PSDB) renunciam a seus cargos na próxima semana para se desincompatibilizarem e estarem aptos à disputa nas eleições de outubro.

Requião será candidato ao Senado e Beto ao governo do Estado. Mas o fim do prazo para desincompatibilização não causará mudanças apenas nos chefes dos Executivos estadual e municipal.

Orlando Pessuti (PMDB) e Luciano Ducci (PSB) assumirão como governador e prefeito da capital, respectivamente tendo que nomear novos membros para suas equipes.

É grande o número de membros do primeiro e segundo escalões do governo e da prefeitura que deixarão o cargo até sexta-feira (dia 2, último dia do prazo) para disputar a eleição de outubro.

Só o governador Requião já assinou 12 exonerações de secretários ou diretores de autarquias. A maioria deixará o cargo na quinta-feira, 1º de abril, junto com Requião.

Já estão assinadas, e publicadas no Diário Oficial da última quarta-feira, as exonerações dos secretários Melo Viana (PV) Controle Interno, Gilberto Martin (PMDB) Saúde, Rasca Rodrigues (PV) Meio Ambiente, Valter Bianchini (PT) Agricultura e Nelson Garcia (PSDB) Trabalho.

Garcia sai do governo quase um ano depois de o PSDB ter determinado que seus filiados deixassem o governo Requião. A secretária de Ciência e Tecnologia, Lygia Pupatto, que também disputará a eleição, já havia deixado o cargo na semana passada.

Além dos secretários de Estado, também estão deixando o governo o diretor-presidente do Instituto de Tecnologia do Paraná, Aldair Rizzi, o chefe do Departamento de Fomento Rodoviário aos Municípios Antonio Annibelli Neto, o diretor-geral da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, Herlon Goelzer de Almeida, o secretário Especial da Casa Civil, Luis Mussi, o diretor-administrativo-financeiro do Instituto de Pesos e Medidas (IPEM) Paulo Rosenmann, o diretor presidente do Instituto Ambiental do Paraná, Vitor Hugo Burko, e a coordenadora da Região Metropolitana de Curitiba, Inês Aparecida de Paula Dias. Todos buscarão uma vaga na Assembleia Legislativa ou na Câmara dos deputados.

Na prefeitura, ao menos três nomes terão de ser substituídos: o secretário de Governo, Rui Hara, será candidato a deputado estadual. Luiz Fernando Jamur, secretário de Urbanismo assumirá seu lugar, mas Ducci terá que escolher um novo nome para a pasta de Jamur.

O vice-prefeito, que assume o lugar de Beto Richa na terça-feira, dia 30, também terá de indicar um novo secretário anti-drogas. O delegado Fernando Francischini deixará a prefeitura para disputar uma cadeira na Câmara Federal pelo PSDB. Também deixará o cargo o diretor de marketing da Fundação Cultural de Curitiba, Eduardo Pimentel Slaviero, pré-candidato a deputado estadual pelo PSDB.