A secretaria de Educação de Curitiba, Eleonora Fruet, formalizou sua saída do cargo ontem à tarde, mas entregou a carta de demissão há uma semana ao prefeito Luciano Ducci (PSB), conforme antecipou O Estado.

Eleonora anunciou que estava deixando a equipe de Ducci por meio de mensagem no microblog twitter, onde agradeceu “o privilégio de ter convivido com os servidores e contribuído nos avanços da educação de Curitiba”.

O prefeito de Curitiba, Luciano Ducci (PSB), anuncia hoje a substituta de Eleonora. No comando da área de educação do município há seis anos, Eleonora deixa o cargo no mesmo momento em que o irmão, o deputado federal Gustavo Fruet, tenta construir sua candidatura a prefeito de Curitiba. Até ontem, Gustavo ainda não havia respondido ao governador eleito, Beto Richa (PSDB), se aceita compor o governo.

Na semana passada, Beto ofereceu uma nova secretaria a Gustavo, que atuaria nas políticas de desenvolvimento para as regiões metropolitanas. Porém, na lista de secretários divulgada ontem não constava o nome de Gustavo nem a nova secretaria.

Além disso, Beto anunciou o nome do ex-vereador Rui Hara para dirigir a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), uma das áreas que, inicialmente, estaria sob o comando do deputado federal tucano.

Além de um bom espaço no governo, que permita desenvolver um trabalho com visibilidade junto à população, Gustavo também pede um naco de poder na estrutura partidária. A presidência do PSDB de Curitiba agradaria ao deputado federal, que termina o mandato em janeiro de 2011.

Persistência

A saída de Eleonora do secretariado tem um significado político para os tucanos aliados de Gustavo. Ao se retirar da equipe de Ducci que, apesar de ser de outro partido, é o principal obstáculo ao projeto de Gustavo de se candidatar à prefeitura, Eleonora deixa claro que Gustavo pretende ir em frente com o projeto de se candidatar a prefeito. Vice-prefeito de Beto, até abril deste ano, Ducci está certo que terá o apoio do governador eleito e, por extensão, do PSDB, à reeleição em 2012.

Terceiro colocado na disputa ao Senado, Gustavo não pensa em ceder espaço a Ducci. Internamente, há setores que não o desencorajam. Para o presidente estadual do PSDB, Valdir Rossoni, não há motivos para preocupação se houver duas candidaturas da base de Beto. “Bom para quem tem dois candidatos bons, forte, dentro de sua aliança”, afirmou o dirigente estadual tucano.

Rossoni citou a saída encontrada pelo ex-governador José Serra (PSDB) quando, defrontado com duas candidaturas do grupo, a do atual governador eleito Geraldo Alckmin e a do prefeito Gilberto Kassab, do DEM, ficou com ambos. “Há força dos dois lados. É por isso que existe o segundo turno”, afirmou o presidente estadual do PSDB.