Os governadores dos Estados que integram o Codesul – Roberto Requião (PR), Germano Rigotto (RS), José Orcírio (MS), além do governador em exercício de Santa Catarina, Eduardo Pinho Moreira – se reuniram ontem, em Foz do Iguaçu, para definir propostas do Codesul relativas ao Mercosul e medidas para reforçar a integração nas áreas da segurança e do turismo. “Estamos trabalhando para transformar os Estados do Codesul em exemplo de racionalidade e decência em administração pública para o país”, destacou o governador Roberto Requião.

“Foi uma reunião muito importante, especialmente porque até agora as discussões do Mercosul não passaram pelos Estados localizados nas divisas com outros países”, disse, referindo-se à proposta de inclusão do Codesul nas discussões do Mercosul. “Estamos reivindicando a presença definitiva do Codesul no Mercosul e acreditamos que estamos em vias de concretizar essa intenção”, explicou. Com relação às medidas para a área da segurança, o governador paranaense disse que, pelo menos o Paraná, começa nos próximos dias a implantar medidas concretas na região de fronteira e reafirmou sua intenção de implantar em Foz do Iguaçu um Centro de Treinamento Integrado para as polícias Militar, Civil e Florestal. “Vamos transformar Foz do Iguaçu no destino turístico mais seguro do Brasil”, afirmou. Segundo ele, ainda para a área da segurança do Codesul, “o mais importante é que haja integração dos Estados nos setores de inteligência, comunicação e banco de dados”.

Para a área de turismo, a idéia dos governos do Codesul é a implantação do Prodetur-Sul, ainda este ano. Segundo explicou a secretária de Planejamento do Paraná, Eleonora Bonato Fruet, que representou os demais secretários, a intenção é aprovar financiamentos por meio do Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID para os programas de turismo do Codesul até o final do ano.

Grupo de trabalho reativado

O secretário de segurança do Rio Grande do Sul e coordenador dessa área no Codesul (Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul), José Otávio Germano, apresentou aos governadores o primeiro resultado das reuniões das áreas de segurança. De acordo com Germano, “começa agora a reativação do grupo de trabalho que esteve desativado nos últimos anos”.

A proposta apresentada sugere a divisão de ações em quatro grandes grupos de trabalho. O primeiro seria responsável pelas inteligências das polícias. “Precisamos de dados confiáveis para desencadear um processo de inteligência apurado e eficaz”, afirmou. O segundo seria o responsável por ações de ensino, formação e aprimoramento dos policiais.

Outro grupo cuidaria das questões das infrações penais, ou seja, dos crimes comuns aos quatro estados, como furto e roubo de cargas e de veículos e tráfico de drogas e armas. O último grupo seria o responsável pelas estatísticas e avaliação de resultados das ações.

A data anunciada para os inícios dos trabalhos foi o mês de junho, quando serão iniciadas as “operações centopéias”, que serão ações em conjunto e simultâneas nos quatro Estados. Para causar o efeito surpresa, as operações serão mantidas em segredo até 24 horas antes de ser deflagradas.

Os recursos para área de segurança também foram discutidos, já que todos os Estados possuem dificuldades de caixa.