Hoje, dia 3 de setembro, falta um mês para a eleição de 3 de outubro, quando serão definidos os novos presidente, governadores, senadores e deputados federais e estaduais. No Paraná, os dois principais candidatos ao governo do Estado têm missões distintas. Enquanto Beto Richa (PSDB) precisa evitar qualquer surpresa de última hora para apenas manter a vantagem conquistada nas pesquisas de intenção de voto (que lhe dão 14 e 16 pontos de vantagem – Datafolha e Ibope divulgados na semana passada), Osmar Dias precisa criar um fato novo e buscar uma arrancada que lhe proporcione uma virada. Analisando as retas finais das cinco últimas eleições, tanto Beto quanto Osmar têm exemplos bons e ruins para usar de lição.

De 1990 a 2006, no último mês da campanha, ocorreram viradas, manutenção das diferenças e, até, ampliação da vantagem do primeiro colocado, o que só permite concluir que, entre hoje e o primeiro domingo de outubro candidatos, comitês e cabos eleitorais terão muito trabalho, seja para manter a vantagem, seja para tirar a diferença. Dezesseis pontos atrás segundo o Ibope/RPC, Osmar Dias pode se apegar à eleição passada como motivação para a reta final. Mesmo não tendo vencido, o pedetista conseguiu tirar, nos últimos 30 dias de campanha, 18 pontos de diferença para Roberto Requião. Se, no dia 31 de agosto Requião liderava a pesquisa Datafolha por 21 pontos (48% a 27%), o primeiro turno da eleição teve um resultado bem mais apertado: 42% a 39% para o ex-governador, que se reelegeu no segundo turno por 10 mil votos.

Em 2002, os números da pesquisa Ibope de 30 de agosto pouco diferiram do resultado das urnas: Alvaro Dias (então no PDT) venceu o primeiro turno com 31%, contra 26% de Requião, enquanto as pesquisas indicavam 32% a 27%. Requião só virou a eleição no segundo turno. Quem cresceu no último mês de campanha foram os três outros candidatos, que não chegaram ao segundo turno, mas assustaram. Um deles era Beto Richa (PSDB), que saiu de 7% nas pesquisas para 17% nas urnas, devendo parte desse crescimento ao então governador Jaime Lerner, que se licenciou do cargo para ajudar na campanha do tucano. Padre Roque (PT) saltou de 3% para 16% e Rubens Bueno (PPS), de 1% para 7%.

Nas eleições de 1994 e 1998, o ex-governador Jaime Lerner conseguiu administrar a vantagem que já tinha um mês antes da votação para vencer as eleições já no primeiro turno. Em 1994 Lerner até saiu atrás de Alvaro Dias, mas virou ainda em agosto, chegando a abrir oito pontos no dia 30. Ele foi eleito com 43% dos votos, contra 30% do adversário. Em 1998, Roberto Requião até conseguiu diminuir a diferença de 17 pontos que Lerner abrira em 31 de agosto. Mas não o suficiente para virar a disputa, perdendo por 52% a 46%. Apesar da diferença de apenas seis pontos, a eleição foi decidida já no primeiro turno, devido à ausência de outras candidaturas fortes, a exemplo do que acontece neste ano.

A reviravolta mais impressionante no último mês de campanha ocorreu em 1990 e envolveu o pai de Beto, José Richa (PSDB). O tucano liderava a pesquisa Ibope em 26 de agosto três pontos à frente de Requião e 13 de José Carlos Martinez. Enquanto Richa já anunciava o “comício da vitória” para o dia 30 de agosto, Requião chamava o adversário para o debate e Martinez corria por fora. No atrito entre Requião e Richa, Martinez, que no último dia de campanha levou os Trapalhões para seu comício, venceu o primeiro turno, com 25%, deixando Requião em segundo com 24% e Richa, que liderou as pesquisas, em terceiro, com 15%. Muitos atribuem a derrota de Richa aos atritos do tucano com o então governador Alvaro Dias, que, na época, tinha uma aprovação de 66%.