Em operação realizada na manhã desta sexta-feira (14), o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), órgão integrante do Ministério Público do Paraná (MP-PR), prendeu preventivamente o ex-diretor da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina, Luis Carlos de Souza, também conhecido como Luis Polaco.

A ação, batizada com o nome de Operação À Deriva aconteceu ao longo de todo o período da manhã, tendo como objetivo o cumprimento de três mandados de prisão, além de buscas e apreensões, referentes a investigações de crimes de corrupção ativa e passiva e associação criminosa no setor portuário.

Além de Polaco, foi preso o diretor-presidente do Terminal Ponta do Félix (porto privado), Valdécio Bombonatto, que já tinha sido citado na Operação Carne Fraca, que apura irregularidades no setor frigorífico. Rafael de Moura, conhecido como Raposão, uma espécie de lobista que atuava, segundo o MP, fazendo a ponta entre os interesses do setor portuário e os poderes municipais, também foi alvo de mandado de prisão.

Segundo a assessoria de imprensa do Ministério Público, os mandados de busca e apreensão (no Terminal Portuário Ponta do Félix, em um escritório de advocacia, em uma empresa e em seis residências) foram cumpridos em Antonina, Pontal do Paraná, Paranaguá, Pinhais e Curitiba. O advogado Giordano Sadday Vilarinho Reinert, que defende Luis Polaco, disse que o cliente está detido na delegacia de Pontal do Paraná e que ainda não pode se pronunciar sobre o caso porque não teve acesso ao processo.

*Com informações da Gazeta do Povo.