Foto: Agência Brasil

Fruet: deputado está surpreso com a força que seu nome vem ganhando em correntes do PSDB para compor chapa em Curitiba.

O deputado federal Gustavo Fruet (PSDB) está surpreso com a força que seu nome vem ganhando em correntes do PSDB de Curitiba para que ele seja indicado a compor, como vice-prefeito, a chapa de reeleição de Beto Richa (PSDB).

Fruet, que garante desconhecer a origem deste movimento, revelou que nunca trabalhou com essa hipótese, mas que não a despreza, ?pois é uma honra para qualquer pessoa ser vice-prefeito de uma cidade como Curitiba?.

O deputado disse estar até preocupado com o crescimento das manifestações pela chapa Beto-Fruet, uma vez que Richa tem um vice-prefeito, Luciano Ducci (PSB), que já manifestou interesse em disputar a reeleição e, inclusive, já se desincompatibilizou, deixando, há um mês, a Secretaria Municipal de Saúde, para poder concorrer em outubro.

?Estou tomando muito cuidado para não antecipar esse assunto, que será decidido pelo próprio Beto no momento certo e, ao mesmo tempo, não demonstrar desprezo pelo cargo e pelas pessoas que lembraram meu nome. Mas a verdade é que isso é novidade para mim, pois nunca trabalhei com esse cenário?, disse Fruet, que lembrou ter um mandato de deputado federal para exercer até 2010, ?e muita coisa para fazer nesses dois anos no Congresso Nacional?.

A candidatura de Gustavo Fruet como vice de Beto Richa é uma iniciativa de corrente do PSDB de Curitiba que defende uma chapa pura e é contra o nome de Luciano Ducci principalmente pelo fato de o vice-prefeito ter apoiado Roberto Requião (PMDB) no segundo turno das eleições para governador, em 2006. Tendo Fruet como vice-prefeito o PSDB manteria a prefeitura da capital mesmo com uma eventual renúncia de Beto Richa para disputar o governo em 2010.

A escolha de Fruet também seria uma maneira de o PSDB atender às reivindicações de PDT e DEM, que sinalizam com o apoio a Beto Richa mas rejeitam o nome de Ducci como vice-prefeito, sem ter de ceder a um desses partidos a vaga de vice. No entanto, a liberdade para Beto poder disputar o governo conflita com os interesses do PDT que quer uma aliança em torno de seu presidente estadual, Osmar Dias, para a sucessão de Requião.

Dizendo-se comprometido apenas a ajudar Beto Richa a se reeleger, Fruet teme que essa corrente atrapalhe as articulações sobre possíveis alianças para as eleições municipais e que já antecipe as discussões sobre as eleições de 2010. ?O Beto reeleito prefeito, passa a ser um nome natural para candidatura ao governo do estado. Mas aí tem todas as relações internas do partido, as conversas com o PSB, a aliança com o Osmar. Eu não participei disso. Esta engenharia está toda na cabeça do Beto e por isso é ele que vai decidir. Mas a obrigação dele, neste momento, é com a gestão da cidade?, disse.

O presidente estadual tucano, Valdir Rossoni disse, nesta semana, na Assembléia Legislativa que a corrente em favor de Fruet não passa de especulação, que o deputado não será candidato a nada neste ano e que seu nome é uma reservado partido para as eleições de 2010, possivelmente para a disputa de uma vaga no Senado.