Quintana: sem prazo.

O secretário-chefe da Casa Civil, Caíto Quintana (PMDB), disse ontem, que o governador Roberto Requião (PMDB) está preocupado em estabelecer uma política salarial para os servidores do Estado e que reconhece a necessidade de recompor os salários das categorias de servidores que estão com maior defasagem.

Segundo o secretário, o governo quer, mas ainda não pode se comprometer com o anúncio de índices e prazos sobre reajustes porque o assunto ainda é objeto de estudos, que estão sendo feitos por técnicos das secretarias da Fazenda, Planejamento e da Administração.

A posição de Caíto Quintana foi manifestada para uma comissão de integrantes do Sindicato dos Servidores da Saúde do Paraná (Sindsaúde), no Palácio Iguaçu. Segundo a coordenadora do sindicato, Elaine Rodella, a categoria que representa está há oito anos sem aumento salarial.

De acordo com o secretário da Casa Civil, o governo está dependendo da conclusão dos estudos sobre arrecadação e do impacto na folha de pagamentos, para estabelecer, com urgência, uma política salarial para os servidores. A idéia, reforçou, é dar prioridade aos funcionários de salários mais baixos.

Quintana antecipou que, no momento, o Estado está comprimido pela Lei de Responsabilidade Fiscal e pela queda de arrecadação nos últimos dois meses. “São fatores que limitam a iniciativa do governo em conceder o reajuste desejável aos servidores, mas que não impedem as negociações.”