A manhã foi de muita confusão, ontem, nos postos de atendimento do INSS do Paraná. Em Curitiba, no posto da rua João Negrão, formaram-se filas de usuários a partir das 5h. O motivo foi o anúncio feito pelo governo federal, no fim da última semana, de que os servidores da Previdência Social, em greve desde o último dia 8 de julho, voltariam ao trabalho normalmente no início desta semana.

Ao chegarem aos postos do INSS em busca de atendimento, os usuários se surpreenderam ao encontrar as portas fechadas e as faixas anunciando greve ainda fixadas nas paredes. “Na última quinta-feira, os servidores públicos realizaram uma assembléia nacional, em Brasília (DF), onde ficou definida a continuidade da greve, que é em favor de mudanças no texto da reforma da Previdência. Não entendemos o motivo pelo qual o governo anunciou o fim da paralisação. Foi uma manobra para gerar o caos”, disse o integrante do comando de greve de Curitiba, Diego Sturdze.

À tarde os servidores se reuniram em assembléia, no prédio central da Universidade Federal do Paraná, e decidiram voltar ao trabalho amanhã. Hoje o dia será dedicado a colocar o cadastro dos servidores em dia, para que o atendimento possa voltar ao normal.

Além de alterações no texto da reforma, os servidores da Previdência Social do Paraná reivindicam um Plano de Cargos, Carreiras e Salários. Segundo o Sindicato dos Servidores Públicos Federais do Trabalho, Saúde e Previdência Social do Paraná (Sindipreves-PR) são cerca de 1.200 servidores em greve em Curitiba e 3 mil no Estado.