Derrotado na convenção de sábado, o grupo de pefelistas liderado pelos deputados federais Rafael Greca, Abelardo Lupion e Joaquim dos Santos Filho ainda não decidiu se vai abrir uma dissidência no partido em relação à candidatura de Beto Richa (PSDB) ao governo do Estado.

Além da cisão no partido, a convenção de sábado deixou mais uma pendência: a indicação ou não de um candidato ao Senado. Inscrita para disputar a vaga, a vice-governadora Emília Belinati entende que teve sua pré-candidatura homologada na convenção, mas esse não é o entendimento da executiva estadual do partido, que está disposta a sacrificar a vaga ao Senado para garantir a participação do PPB na aliança. O PPB defende candidatura única da aliança ao Senado.

Greca pretende consultar os 102 convencionais que votaram pela candidatura própria na convenção para decidir sua posição. Lupion vai conversar com o presidente nacional do partido, Jorge Bornhausen, e Joaquim dos Santos Filho também pretende ouvir algumas opiniões em Brasília durante a semana antes de anunciar se apóia ou não o candidato tucano.

Numa solenidade ontem pela manhã, o governador Jaime Lerner fez um trocadilho em torno da divisão do partido. “Não deu racha no PFL. Deu Richa no PFL”, brincou Lerner, dizendo entretanto que gostaria de ver o partido unido. Segundo ele, deve haver uma convergência de interesses para o objetivo maior: a eleição do seu sucessor. Há uma expectativa do setor que venceu a convenção de sábado de que o governador volte a conversar com Greca e evite sua migração para uma candidatura adversária.

Greca ainda não sabe qual o cargo que irá disputar nesta eleição. “Estou sereno e confiante que vou encontrar meu caminho próprio”, afirmou o deputado, que avaliou seu desempenho na convenção de sábado como uma demonstração de força. “Foi expressiva a minha votação. Tivemos o apoio de 40% do partido”, comentou o pefelista. O governador ainda pensa em convencer Greca a concorrer ao Senado, segundo revelaram alguns pefelistas. Entretanto, a corrente majoritária do partido acha que não há mais espaço para esta recomposição interna, devido ao desgaste imposto pela decisão de Greca em disputar a convenção.

Pendências

A vice-governadora, Emilia Belinati, e o ex-prefeito de Apucarana, Valdemir Mastrowski, estão inscritos para ocupar a vaga ao Senado. O PPB está condicionando sua participação na aliança com o PFL e o PSDB à exclusividade do lançamento da candidatura de Tony Garcia ao Senado. O PFL montou uma comissão para discutir o assunto formada pelo líder do governo na Assembléia Legislativa, Durval Amaral, o líder da bancada estadual, Plauto Miró Guimarães Filho, o deputado federal Luciano Pizzatto, e o ex-secretário da Casa Civil, Alceni Guerra, e o presidente do partido no Paraná, João Elísio Ferraz de Campos. Ontem, a comissão se reuniu com a direção estadual do PSDB.

O impasse sobre o Senado foi um dos temas da conversa, que também abordou a dúvida sobre a indicação do candidato a vice-governador. O ex-secretário do Desenvolvimento Urbano, Lubimir Ficinski, e o deputado federel Werner Wanderer, são os nomes do partido para o cargo.