O presidente nacional do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE), acusa o PT de tentar tumultuar o ambiente político para impedir o pleno funcionamento da CPI do Cachoeira, que está sendo articulada por deputados e senadores do governo e da oposição, e tirar o foco do julgamento do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Em nota oficial do partido, ele afirmou nesta quinta-feira que existe de fato a “operação abafa” denunciada pelo presidente nacional do PT, deputado Rui Falcão, mas que o alvo dela não é a CPI, como acusara o petista.

“O que eles querem é evitar o julgamento do escândalo do mensalão, que identificou o ex-ministro José Dirceu como ‘chefe da quadrilha’ montada durante o governo Lula para comprar votos no Congresso Nacional”, diz Guerra. Foi essa a resposta da direção tucana a Rui Falcão, que na quarta-feira postou um vídeo de quase dois minutos no site oficial do partido, conclamando centrais sindicais, movimentos populares e partidos políticos que defendem o combate a corrupção a se mobilizarem contra o que chamou de “operação abafa” para impedir as investigações da CPI do Cachoeira.

“O presidente do PT mente e tenta confundir a opinião pública, numa atitude que não honra a democracia brasileira, seu próprio partido e merece nosso repúdio”, diz o presidente do PSDB no documento. Segundo ele, seu partido apoia a instalação de uma CPI para apurar todo o esquema de corrupção montado pelo empresário do jogo Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, em uma investigação ampla, que alcance todos os agentes públicos e privados envolvidos no esquema.

“A sociedade brasileira também não concorda com uma CPI chapa branca, como a que o governo tenta montar neste instante, deixando a oposição de fora do comando das investigações com o objetivo claro de poupar da investigação aliados da presidente Dilma Rousseff, em especial representantes do PT como o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, o deputado Rubens Otoni (PT-GO), o subchefe de Assuntos Federativos da Secretaria de Relações Institucionais, Olavo Noleto, ou o prefeito de Anápolis, Antônio Gomide”, diz a nota assinada pelo tucano.

O presidente do PSDB também lembra na nota partidária que “o mensalão foi desvendado há sete anos e até hoje ninguém foi punido”. Pelo contrário, prossegue ele, “o PT fez questão de tentar reabilitar vários dos 37 mensaleiros, o que certamente contribuiu para que outros contraventores como Cachoeira continuassem agindo, confiando na impunidade de crimes contra o patrimônio público”.